domingo, 31 de outubro de 2010

Dilma Roussef é a 40ª Presidente do Brasil

Ex-guerrilheira é a primeira mulher a chegar à Presidência da República


A partir de 1º de janeiro, Dilma 
senta na cadeira de Lula da Silva

A ex-ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, Dilma Roussef, foi eleita hoje presidente do Brasil, a primeira mulher a chegar ao posto máximo da Nação.Ela foi alçada já em 2008 à condição de candidata pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que começou então a dar as primeiras indicações de que gostaria de ver uma mulher ocupando o posto mais importante da República.
Em 31 de março deste ano, Dilma deixou a Casa Civil para entrar na pré-campanha.
Cresceu nas pesquisas e chegou a ter mais de 50% dos votos válidos em todas elas, mas começou a oscilar negativamente dias antes do primeiro turno, após a revelação dos escândalos de corrupção na Casa Civil e da entrada do tema do aborto na campanha.
Logo no primeiro debate do segundo turno, reagiu aos ataques que vinha sofrendo e contra-atacou Serra.
A partir daquele momento, a diferença entre os dois candidatos nas pesquisas parou de cair.
Dilma tornou-se um nome forte para disputar o cargo ao assumir o posto de ministra-chefe da Casa Civil, em junho de 2005, após a queda de José Dirceu no escândalo do mensalão.
No comando da Casa Civil, Dilma travou uma intensa disputa com o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, por causa da política econômica do governo.
Enquanto ele defendia aperto fiscal, ela pregava aceleração nos gastos e queda nos juros.
Dilma acabou assistindo à queda de Palocci, em março de 2006, devido à quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa.
Com a reeleição de Lula e sem grandes rivais à altura no PT, Dilma tornou-se, depois do presidente, o grande nome do governo.
Apesar do poder acumulado e do protagonismo que passou a exercer ao lado de Lula, até outubro de 2007 Dilma negava que seria candidata.
Sua atuação à frente do Ministério de Minas e Energia rendera-lhe a simpatia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que enxergou na subordinada, de perfil discreto e trabalhador, a substituta ideal para o posto de Dirceu.
Ela foi indicada para o ministério logo após Lula se tornar presidente, em 2002.
No comando da pasta, anunciou novas regras para o setor elétrico além de lançar o programa Luz para Todos, uma das bandeiras de sua candidatura.
O novo marco regulatório para o setor elétrico, lançado em 2004, foi considerado a primeira iniciativa do governo Lula, na área de infra-estrutura, de romper com os padrões do governo FHC, marcado pelo "apagão" de 2001.
A principal característica do novo marco foi o aumento do poder do Estado em detrimento da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).
Família
O pai de Dilma, Pedro Rousseff, veio para a América Latina na década de 30 do século passado.
Viúvo, deixara um filho, Luben, na Bulgária.
Passou por Salvador, Buenos Aires e acabou se instalando em São Paulo. Fez negócios na construção civil e com empreitadas para grandes empresas, como a Mannesmann.
Já estava havia cerca de dez anos no Brasil quando, numa viagem a Uberaba, conheceu a professora primária Dilma Jane Silva, nascida em Friburgo (RJ), mas radicada em solo mineiro.
Casaram-se e tiveram três filhos.
Igor nasceu em janeiro de 1947, Dilma, em dezembro do mesmo ano, e Zana, em 1951.
A família escolheu Belo Horizonte para morar.
Levavam uma vida confortável.
Passavam férias no Espírito Santo ou no Rio. Às vezes, viajavam de avião.
Não era uma clássica família tradicional mineira.
Os filhos não precisavam ter uma religião: escolhiam uma fé se assim desejassem.
O pai frequentava cassinos, gostava de fumar e beber socialmente.
Quando morreu, em 1962, Pedro deixou a família numa situação tranquila.
Cerca de 15 bons imóveis garantem renda para a viúva Dilma Jane até hoje.
Um dos apartamentos fica no centro de Belo Horizonte.
Com informações da Folha Online

Sexo previsto em lei

Leis estranhas sobre sexo ao redor do mundo, enviadas por um leitor viajandão do Bar de Ferreirinha. Tem cada uma...

No Líbano, os homens podem legalmente ter relações sexuais com animais, mas têm que ser fêmeas. Relações sexuais com machos são puníveis com a morte.

No Bahrain, um médico pode legalmente examinar a genitália feminina, mas ele é proibido de olhar diretamente para ela durante o exame. Ele pode apenas olhar através de um espelho.

Os muçulmanos não podem olhar os genitais de um cadáver. Isto também se aplica aos funcionários da funerária... Os órgãos sexuais do defunto devem estar sempre cobertos por um tijolo ou por um pedaço de madeira.

A penalidade para a masturbação na Indonésia é a decapitação. Direito de pergunta: de qual cabeça?

Há homens em Guam cujo emprego em tempo integral é viajar pelo país e deflorar virgens, que os pagam pelo privilégio de ter sexo pela primeira vez. Razão: Pelas leis de Guam, é proibido virgens se casarem. Mais uma pergunta: existe emprego melhor no planeta?

Em Hong Kong , uma mulher traída pode legalmente matar seu marido adúltero, mas deve fazê-lo apenas com suas mãos. Em contrapartida, a mulher adúltera pode ser morta de qualquer outra maneira pelo marido.

A lei autoriza vendedoras a ficarem de topless em Liverpool, Inglaterra, mas somente em lojas de peixes tropicais.

Em Cali, na Colômbia, uma mulher só pode ter a primeira relação com o marido quando a mãe estiver no quarto para testemunhar o ato. (Imagine transar com a sogra assistindo? Fala sério!).

Em Santa Cruz , na Bolívia, é ilegal um homem ter relações com uma mulher e a filha dela ao mesmo tempo.

Em Maryland preservativos podem ser vendidos em máquinas somente em lugares onde são vendidas bebidas alcoólicas para consumo no local.

Na Nova Guiné, o sexo anal é obrigatório.

O boiadão do Seridó


31 de outubro de 2010
O boiadão do Seridó


Do final do século 17 e por todo o século 18 o Seridó ocupou-se predominantemente com a criação de gado. Virou um grande curral. Detinha o maior boiadão da região na Capitania. O mestre-de-campo cedeu lugar ao vaqueiro.
As fazendas foram padronizadas em três léguas de comprimento ao longo dos rios por uma légua de largura, meia légua para cada margem, ou seja, 108 quilômetros quadrados, 10.800 hectares!
Era o domínio da pecuária extensiva. O privilegiado, quase sempre senhor de engenho nas regiões produtoras de açúcar, conseguia a terra no sertão, por doação do governo, arranjava um vaqueiro para vir nela morar e cuidar do gado, recebendo como pagamento uma cria em cada quatro bezerros que nascessem. 
Criado ao deus-dará, um só boi chegava a ocupar mais de 10 hectares para poder sobreviver! Os fazendeiros nenhum tostão investiam. Interessavam-se única e exclusivamente pelos lucros. A degradação das terras e da caatinga que se danassem. Não pensavam no futuro, tudo para eles se resumia na ganância que os movia.
O ambientalista e empreendedor social João Meirelles Filho revela, com absoluta precisão, referindo-se ao que vem ocorrendo agora na Amazônia, tal como ocorreu no sertão norte-rio-grandense no século 18, o histórico que constitui o cerne da problemática atual do gado vacum: “Nenhuma atividade socioeconômica explica tão bem o Brasil como a pecuária bovina extensiva. A floresta tropical atlântica (mata atlântica) foi reduzida a 7% de sua cobertura original, o cerrado (savana) a menos de 1/3 de sua área e perde diariamente mais de 10 hectares, a caatinga (semiárido brasileiro) a menos da metade apenas para ceder espaço à vontade do brasileiro de comer carne.”
A carne sertaneja abastecia as populações do Norte e do Nordeste. Em 1711, o cronista André João Antonil afirmava existir no sertão nada menos do que um milhão de reses!
Sem dúvida, foram as atividades pecuárias que desencadearam o processo de desertificação do Seridó com o encoivaramento de grande parte da caatinga, transformada em campo para a criação de gado. Quanto mais cresciam os rebanhos, mais queimadas e mais terras desmatadas, novos espaços para a pastagem das boiadas. Deu no que deu. A terra empobreceu, estorricou. A vida tornou-se mais difícil, diminuíram os ricos, aumentaram os pobres. Todos perderam. A região que já foi líder na economia e na política tornou-se mera coadjuvante do desenvolvimento estadual, menos expressiva do que os sertões do Ceará, Piauí e Maranhão que, tal como o Seridó, também compuseram a antiga Capitania do Rio Grande.
Não obstante o rosário de infaustos acontecimentos e desacertos, restaram algumas particularidades regionais que, a partir da cultura sertaneja, tornaram-se autênticas características do povo brasileiro.
A famosa e gostosa carne-de-sol, conhecida também como carne-do-sertão, que, assada, sempre esteve presente na mesa seridoense como especialidade favorita da sua culinária, teve de enfrentar duras batalhas para conseguir atingir o prestígio culinário hoje desfrutado. 
O Rio Grande do Norte era campeão na produção de carne-de-sol de qualidade. Abastecia os estados vizinhos. A pujança de sua economia nesse setor despertou neles forte apetite de conquistar parte do nosso território.
O Capitão-mor de Pernambuco, sob a alegação de que a carne da região sertaneja do Rio Grande do Norte estava sendo quase toda vendida aos estados vizinhos, deixando desabastecida a população local, proibiu a produção de carne-de-sol no Rio Grande do Norte (1788). Somente o Ceará poderia produzi-la!
Imaginem se o governo, hoje, proibisse o Rio Grande do Norte de produzir camarão ou sal! O decreto não pegou como não pegaria hoje. Letra morta.
A Paraíba (1831), por seu turno, alegando questões de limites, preferiu tentar tomar tudo, inclusive o próprio território seridoense, que passaria a pertencer àquele Estado. Não fosse o prestígio e o talento do Senador Brito Guerra todos nós seridoenses seríamos paraibanos e não norte-rio-grandenses!
Por fim, teríamos perdido importante parte do nosso território quando o Ceará, ao constatar não poder haver carne-de-sol sem sal, intentou tomar salinas do Oeste norte-rio-grandense, também alegando questões de limites (final do século 19 e início do século 20). Não fôramos socorridos pela competência e pelo renome de Rui Barbosa certamente teríamos perdido a questão. Tendo em vista essa importante ligação do maior jurista brasileiro com o Rio Grande do Norte, lembro que, posteriormente, foi ele reconhecido por lei como patrono da cultura brasileira, data comemorada anualmente aos 5 de novembro, aniversário de seu nascimento.
Outra herança de grande valor cultural legada pelo chamado Ciclo do Couro no Rio Grande do Norte foi a vaquejada, hoje elevada à categoria de esporte bastante difundido no Brasil. Todavia, cresce constantemente o combate às vaquejadas por parte das organizações protetoras do animais.
Finalmente, não posso deixar de mencionar nossas velhas cercas de pedra. Elas nos contam a história do ciclo do gado e do ciclo do algodão. Em suma, a história da ocupação rural do território seridoense. Você pode até nunca ter notado, mas uma cerca de pedra bem feita é uma obra de arte! Um livro — como escreveu Dom José Delgado a respeito das obras sociais, um livro que até os analfabetos conseguem ler.
Há localidades brasileiras que já apresentaram ao Ministério da Cultura estudo detalhado de suas cercas de pedra para que sejam reconhecidas como patrimônio cultural, pois, cerca de pedra, além de expressar a história e a cultura de uma região, também gera turismo.
Como se pode deduzir dessa apertada síntese histórica, não tem sido nada fácil para o Rio Grande do Norte conquistar o lugar que realmente merece dentro da federação brasileira.
Procurador federal e ex-prefeito de Caicó

Véspera de feriado no Seis em Ponto


Clique sobre a imagem

DIÁRIO DE VIAGEM

Ao sertão dos Missionários do Nordeste,
padres Rolim, Ibiapina e Cícero
João da Mata Costa


Foi num sábado de primavera que de Natal partimos em direção ao sertão do padre Cícero Romão Batista.
Na tripulação de quatro amigos (DaMata, Abimael, Homero e Antonio Medeiros), nenhum beato ou devoto do Padim Ciço.
Desde pequeno ouvimos nossos pais e avós falarem das romarias ao Juazeiro do Norte – A Meca do Nordeste.
Sempre desejei fazer essa viagem assim como quem tem uma dívida com a sua cultura.
Das promessas feitas e das graças alcançadas em tempos de privações e doenças por muitos familiares e amigos.
Até os dias atuais essas romarias não arrefeceram e milhares de pessoas continuam fazendo a mesma peregrinação em direção ao Juazeiro onde está situado grande monumento do famoso padre do nordeste brasileiro.
A viagem ao cariri cearense foi feita via Caicó-RN, passando por Brejo do Cruz e Catolé do Rocha, na Paraíba.
Terras-origens-cantadas pelos paraibanos Zé Ramalho e Chico César.
Depois Sousa - terra dos Dinossauros – e, Cajazeiras.
Viagem por um sertão profundo, cheio de mistérios e arcanos indecifráveis.
Reserva cultural de um povo atencioso e pronto para qualquer informação.  
O Cariri Novo, de grandes engenhos de açuca, beatos, cangaceiros, coronéis e rica cultura popular.
O Vale dos Dinossauros
Indo ao nordeste do Brasil e passando em Sousa (PB), é obrigatória a visita ao Lajedo da Passagem de Pedras, onde fica situado o famoso “Vale dos Dinossauros” com as pegadas deixadas por dinossauros que habitavam essa região alagada.
A visita é melhor ainda se for acompanhada pelo guia Robson Araújo Marques, o “Velho do Rio”.
Robson é um norte-rio-grandense, nascido em Florania e há 35 anos trabalhando nesse importante sítio arqueológico que precisava ser melhor preservado e estudado.  
Seu avô Anísio Fausto da Silva indo em busca de animais perdidos, descobriu essas importantes pegadas e denominou “Rastro do Boi e da Ema”.
Analisada depois por paleontólogos descobriu-se que aqueles rastros que impregnaram os lajedos da “Passagem das Pedras” eram fabulosos rastros de gigantes dinossauros que por ali passeavam e caçavam há milhões de anos.
A Cajazeiras do Padre Rolim
Em Cajazeiras o encontro marcado com o amigo e historiador Francisco Pereira.
Um grande estudioso do Cangaço e da cultura nordestina.
A paixão de Pereira por esses temas o levou a colecionar e comercializar livros referentes ao Cangaço, Canudos e cultura nordestina.
Conversar com o simpático amigo professor Pereira é uma viagem por essa rica cultura de beatos, coronéis e cangaceiros.
Já o conhecia via internet e foi uma alegria conversar pessoalmente com ele e comprar uma dezena de livros sobre o nordeste profundo, seus costumes e crenças.
Pergunto ao Pereira sobre o  filme “O Sonho de Inacim”, e ele diz que não gostou.
Não gostou das liberdades do filme que poderia ser um belo documentário, e não é.
Não gostou do pai do menino como cantor brega e achou – como historiador- que o filme presta um péssimo serviço à memória historiográfica nacional ao filmar o padre Rolim num colégio diferente daquele criado e mantido pelo pioneiro educador Rolim.
“O Sonho de Inacim” – O filme sobre o Padre Rolim
Duzentos anos após o nascimento do padre Ignácio de Sousa Rolim, ocorrido em 22 de agosto de 1800, o filme o “Sonho de Inacim” resgata a história desse "Educador do Sertão" que viveu na cidade de Cajazeiras, PB, onde fundou um colégio.
O menino Inacim sonha tendo contato com o Pe Botânico e sofre muitas discriminações.
Èxpulso da escola vai para o psicólogo, médico, lançadora de Búzios e deixa a todos perplexos com os seus poderes para-normais.
O menino vira celebridade na pequena cidade de cajazeiras já dominada por traficantes.
Todas as revelações do menino Inacim são depois confirmadas pelo biógrafo do Pe Rolim, Padre Heliodoro Pires, que escreveu o importante "Padre Mestre Ignácio Rolim", onde narra o pioneirismo do Pe. Rolim no ensino da região da Paraíba.
Rolim foi o melhor professor de Grego em seu tempo e a Paraíba teve que lutar para não perder o mestre para Olinda-PE.
O naturalista Pe. Rolim de descendência francesa escreveu os importantes livros “Extracto de Gramática Grega” e “Noções de História Natural”, onde descreve a fauna e flora do Sertão.
Do colégio fundado pelo Pe. Sábio saíram alguns dos maiores sacerdotes e personalidades do Brasil: O controvertido Padre Cícero Romão Batista, o Cardeal Arcoverde (primeiro cardeal da América Latina), Peregrino de Araújo (Governador da Paraíba 1900-1904), Irineu Joffily (historiador, jornalista e advogado paraibano) e outros.
Um belo filme dirigido por Eliezer Filho que resgata a fundação da cidade de Cajazeiras na Paraíba (terra do diretor).
A importância na nossa formação e cultura dos padres que aqui chegaram.
Um belo elenco, fotografia e a música do Chico César.
O som das vozes (mesmo em Dolby) não está muito bom.
José Wilker (sempre o mesmo) faz o Pe. Rolim.
Completa o elenco a excelente Marcelia Cartaxo, como mãe do menino Inacim (Gabriel Batistuta).
E o excelente (meu voto de melhor ator) José Dumont - o Miguel do Jegue - toma uma cachaça amuada.
O cantor brega Zé das Antas (Fubá) - o pai do menino - deixa a sua mãe e é suspeito de envolvimento com drogas.
Onde estão os restos mortais do padre Rolim, querem saber as autoridades da cidade para comemorar em grande estilo o seu bicentenário em 2000.
Ninguém sabe.
Inacim diz que o Padre está vivo.
Claro, ele está sempre vendo o sacerdote professor e fala com o padre.
Vê seu belo museu, etc.
Padre Ibiapina – o “Taumaturgo da Caridade”
Padre Ibiapina nasceu na cidade de Sobral (Ceará) em cinco de Agosto de 1806, seis anos após o nascimento do padre Rolim.
Foi um grande peregrino do sertão nordestino e criador de inúmeras casas de caridade.
Multidões seguiam seus ensinamentos de amor ao próximo, mulheres eram acolhidas em suas 22 casas de caridades (dez só na Paraíba) deixadas por ele no Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Piauí e Ceará.
O padre Ibiapina foi o precursor de um catolicismo popular, inspirador de Antonio Conselheiro, Padre Cícero e de muitos outros padres, beatos (gedeões) e missionários.
Um grande educador do Nordeste deixou marcas profundas num séqüito de fies seguidores,
Nas casas de caridades as mulheres abrigadas aprendiam a ler, a contar, aprendiam cozinhar, artesanar e recebiam também uma educação religiosa e moral.
Quantos rccém-nascidos  não foram deixados na “ Roda dos Enjeitados” ou expostos e abrigados pelas caridosas do padre educador da Paraíba e de todo nordeste brasileiro.
Padre Ibiapina realizou missões, organizou o povo humilde pólvora dos coronéis, conciliou intrigas, levantou e restaurou igrejas e capelas.
Construiu em mutirões, o refrigério do nordeste: açudes, cacimbas e barragens.
O escritor e amigo Bartolomeu ganhou de herança e forneceu a um amigo uma bandeira daquelas usadas nas missões evangelizadoras do grande padre Ibiapina.
No dia 19 de fevereiro de 1883 falece o apostolo Ibiapina e seu tumulo está situado em Santa Fé, Paraíba.

Padim Ciço
O destino motivador da nossa viagem era o Juazeiro do padre Cícero Romão.
Juazeiro, árvore que abriga o nordestino do sol inclemente.
Já do hotel avistávamos a grande estátua do nosso Padim Ciço.
A chegada ali foi coberta de grande emoção e sentimentos que amolecem o coração mais empedernido.
Centenas e centenas de ônibus trazem os penitentes numa segunda feira imprensada, véspera do feriado da padroeira do Brasil.
Tudo na cidade vive em função do padre Cícero e de suas pregações seguidas por uma multidão de fieis de todo o Brasil.
Nordestinos eternamente pregados na cruz de uma terra seca e um sol inclemente.
Subimos a serra do horto cheio de penitentes e vendedores da fé, Imagens, fitas do padim Santo e velas para acender e rezar.
Ouvem-se muitas rezas e loas em homenagem ao Santo do Nordeste.
Na casa de orações - ao lado - muitos ex-votos de madeira e fotos.
A estátua do padre Cícero ao lado da beata Maria de Araújo, que em 1891 deixou a todos estupefatos quando a hóstia ficou vermelha em sua língua.
Romeiros com suas túnicas marrons, a ordem dos penitentes com seus costumes medievais e seguidores que se flagelam e entoam benditos.
Tudo isso compõe um cenário de fé e de uma cultura viva, para alem das discussões acadêmicas sobre a beatitude e comportamento coronelístico do padre Cícero.
Multidões sobem as escadas para chegar mais perto da estátua do padre.
Estátua que olha e abençoa o Cariri e seus devotos.
Subo também e fico comovido com tanta fé e adorações.
Assino meu nome no pé da estátua gigante.
Muitos outros assinam formando um manto de letras e preces abençoadas pelo sacerdote nordestino.
Desço e digo para os meus amigos que ficaram em baixo que me sinto purificado.
Um responde que está cansado.
Outro diz que tem sede.
É hora de voltar.
Promessa cumprida.
Muitos pedintes aproveitam para receber um dízimo dos beatos que rezam, pagam promessas e pedem pelos seus entes vivos e mortos.
Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

sábado, 30 de outubro de 2010

Casa Cor

Tava lá no Blogue do Cláudio Humberto...

Capa de tecido e óleo de peroba não dão conta de manter impecáveis sofás do Senado: este ano a manutenção nos custará R$ 336,9 mil...

Da Redação:Meus amigos vocês que se levantaram cedinho no ultimo dia 3 de outubro,foram as urnas, e escolheram com seus honrados votinhos os nossos representantes no Senado,tem agora a OBRIGAÇÃO de apoiarem este digno projeto, já denominado:"Proteção as Bundas dos Senadores".

Dilma e Serra respondem


Por que a galinha atravessou a rua?

Dilma Rousseff
No que se refere ao fato de a galinha ter cruzado a rua, eu considero que este é mais um ganho do governo do presidente Lula. Eu considero que foi apenas depois que o presidente Lula me pediu para coordenar o PAC das Ruas é que as galinhas no que se refere ao cruzamento das ruas tiveram a oportunidade de poder cruzar as ruas, coisa que, aliás, só as galinhas com maior poder aquisitivo podiam no governo FHC, no qual o meu adversário foi ministro do Planejamento e da Saúde.


José Serra
Olha, este é mais um trolóló da campanha petista. Veja bem, as galinhas cruzam as ruas no Brasil, há anos. Eu mesmo coordenei a emenda na Constituição que permite o direito de ir e vir das galinhas. Eles ficam falando que foram eles que inventaram esse cruzamento de ruas, mas já no governo Montoro, quando eu era secretário do Planejamento, as galinhas cruzaram as ruas com maior segurança. Eu, por exemplo, criei o programa Galinha Paulistana, que permitiu que milhares de galinhas pudessem cruzar as ruas e, agora no meu governo, vou criar o “Galinha Brasileira”, em que toda galinha terá direito de cruzar as ruas quantas vezes quiser.

Avião moderno

O cara tava viajando nestes aviões modernosos, cheios de sacanagem, quando deu uma baita vontade de ir no banheiro. 
Foi no banheiro marcado masculino mas todos estavam ocupados. 
Recorreu à aeromoça, que lhe disse para ir no banheiro feminino que estava desocupado, mas frisou bem: 
- Não aperte em hipótese alguma os botões JAQ, SAQ, AT e RAA.
Ele escutou, mas não prestou atenção. 
Foi no banheiro, sentou no vaso, e ficou olhando pros botões. 
Logicamente, como era curioso, apertou o botão JAQ. 
Automaticamente um jato de água quente lavou a sua bunda. 
O cara ficou abismado com aquilo.
- As mulheres é que sabem das coisas – pensou consigo mesmo.
A curiosidade continuou e apertou o botão SAQ. 
Na sequência um secador de ar quente secou a sua bunda, não deixando uma gotinha só de água. 
O cara achou que estava no paraíso com aquele luxo todo. 
Já mais relaxado apertou o botão AT e um aplicador de talco passou talco generosamente em sua bunda.
Totalmente desinibido, foi direto no botão RAA. 
Depois que acordou no hospital perguntou o que havia acontecido com ele. 
A última coisa que se lembrava é de ter apertado o botão RAA. 
A enfermeira então respondeu:
- O senhor foi avisado pra não apertar os botões. RAA significa removedor automático de absorvente...

O dia em que a terra soltou um pum


Via: De Bruçus pru Cocô

Era verão e todos iam para a praia ou no piscinão ao lado da casa de Emanuello. Todos, com exceção de Emanuello, um homem de 45 anos com problemas sociais. Tudo começou no verão de 97, quando ele tinha 13 anos.
Era uma tarde comum, mas com a diferença que neste dia, ao lado da casa de Emanuello, havia uma boate em chamas. Não iria fazer diferença para Emauello, mas para sua mãe, que trabalhava lá, sim.
Ela veio a falecer enquanto fazia sexo com um homem chamado Claudimir.
Emanuello ficou desesperado, porque já tinha perdido o pai em uma montanha russa comunista. Agora era só ele.
No fundo, ele ficou feliz: "finalmente vou ser independente e feliz! Há, vou poder bater punheta sempre que quiser."
Não foi como ele queria, dois dias depois, um forte terremoto atingiu sua casa, seguido de três furacões e uma vaca voadora.
Emanuello estava sem-teto.
Mas ele não desistiu tão fácil. Ele era o Emanuello, um jovem garoto de 13 anos que não era fraco. por isso ele foi para a casa de sua nora, Evelyn.
Mas ela tinha falecido em função de uma erupção vulcânica na mesma semana.
Emanuello estava oficialmente sozinho, e tudo que restara foi uma cicatriz em seu peito. Uma cicatriz que seu último amor o fizera. Clarissa d'ore.
Clarissa D'ore era a garota mais perfeita que Emanuello já vira em toda sua humilde vida. Ela tinha cerca de 18 anos e era tão branca quanto a lua. Seus longos cabelos dourados eram tão brilhantes que lembrava fios de ouro. Seu rosto era tão delicado e possuía uma pele tão lisa quanto a de um pêssego. Os lábios, o olhar, o sorriso. Clarissa D'ore era uma personificação da Deusa Afrodite, porém, melhorada.
Ele a amava e ela também. Ou pelo menos, era o que ela dizia para Emanuello.
Pobre garoto, vítima de uma ilusão amorosa aos 13 anos.
Clarissa era prostituta, e não tinha sentimentos. Para ela, o passatempo mais divertido era brincar com os sentimentos dos outros. Dentre as pessoas, estava Emanuello. Ela era capaz de dizer "te amo" tão convincentemente que até mesmo um surdo entenderia.
Foi por ela que ele tentou se suicidar, com 13 anos, a morte já lhe apetecia.
Mas falhou. Foi para o hospital e continuou vivo. E Clarissa, também.
Mas não por muito tempo. Uma de suas brincadeiras com os sentimentos de um jovem chamado Eduardo acabou mal. Eduardo havia prendido as mãos e pés de Clarissa em uma cadeira e abusado sexualmente dela durante três dias. Insatisfeito, trespassou-lhe a carne de seu ventre com uma faca e rasgou até o peito. Tirou todas suas entranhas e se masturbou. Ejaculou em seu rosto e a queimou.
Emanuello não sabia disso, por isso, no fundo continuava a amando.
Já era noite. Emanuello sentou-se sobre os escombros de um hospital e caiu no sono, ma manhã seguinte, acordou com os gritos reclamando um incêndio. Ao abrir os olhos, notou que estava ilhado nos escombros do hospital. Durante a noite, uma barragem de uma hidrelétrica explodiu e inundou a cidade.
Emanuello faleceu de botulismo no dia 3 de setembro de 2029, na Rússia.
Foi assim que ele nunca mais saiu de casa no verão.

Fragmento

Nina Rizzi

Gostava de olhar por dentro do insulfilm. 
era assim que o menino do posto de gasolina 
dizia dessas fronteiras invisíveis, o vão negro, criativo, e seu desejo. 
deu uns passos e sentou no degrau da bodega defronte, 
olhando por dentro do insulfilm as mãos do homem e da mulher. 
não podia sentir pena de si, só a pele do frango à esquina a enojava. 
a pastosa da bodega não, preferia o casal em se comer.

Oferta do dia de Putas Resolutas

Quero namorar

Dr. Chaprão dos Cachos abre o jogo aqui no Bar de Ferreirinha: quer uma namorada!
Pré-requisitos:
1- Ter seios não muito grandes porque não quero viver entre eles e não muito pequenos porque não quero que meu pau viva entre eles;
2- Gostar de sexo anal.
3- Não usar muita maquiagem: quero uma mulher e não um palhaço;
4- Não ser racista porque o bicho aqui em baixo é negão;
5- Consiga matar uma aranha e me acalmar após isso;
6- Se for ninfomaníaca tenha seu próprio empregado reserva caso eu não dê conta;
7- NUNCA use batom, esmalte, etc com cores brilhantes ou fortes demais.
8- Se eu te falar que quero ver filme pornô, é porque eu quero ver, não tente me fazer mudar de ideia e não ligue pro hospício ou pro exorcista;
9- Seja flexível, se conseguir beijar meu pau sem dobrar os joelhos e tirar os pés do chão já é o suficiente pra mim;
10- Não quero lamber barba, então depile essa merda;
11- Fale palavrões necessários, um “estou decepcionada mas espero que você supere isso logo para o bem de nós dois” não soa bem. É mais bonito.“Porra, essa merda não vai levantar não seu filho da puta? Vou ficar na siririca agora porque esse caralho fedido não quer trabalhar? Ah vá pra puta que pariu."
Então, você se enquadra nesses requisitos básicos e quer ser minha namorada? 
O pacote inclui: eu, meu cachorro e muito amor. 
Se sua resposta foi sim, telefone para 69696969...

Pijama do amor

A jovem de 18 anos foi passar o fim de semana na casa dos avós. 
Quando chega a noite a moça vai para seu quarto, tira toda a sua roupa e deita na cama. 
A sua avó entra no quarto e pergunta assustada:
- O que é isso minha neta?
- Isso o que vovó?
- Você aí sem roupa…
- Não vovó, estou usando o pijama do amor – responde a jovem.
- Puxa, que legal… – diz a velhinha.
Chega outra noite, o velhinho entra no quarto e vê a velhinha nua.
- O que é isso mulher? – pergunta o velho.
- Isso o que meu velho?
- Você aí, deitada sem roupa…
- Não estou sem roupa, estou usando o pijama do amor…
E o velho responde:
- Puta merda: pelo menos podia ter dado uma passadinha nele, né?

Nordestina Porreta

Resposta pra Ferreirinha
Babá Motorista

Êita povo atrapaiado. Minha prosa foi postar.
Eu já dei tanta risada. que as calça fui trocar.
Isso era segredinho...só prá dois apreciá
Mas tu fosse deixar pubrico e no blogue espaiá
Minha nossa que vergonha, com que cara vou ficar?
Uma moça tão decente que adora trabaiá
E prá num ficar falada e ninguem desconfiá.
De criança fui cuidar.
Mas não pense que sou santa e o convite recusar.
Quando menos esperá em Caicó vou aportá
E diga logo ao Ferrerinha. Só de língua sei beijá.
Grande abraço e muito obrigada.

Motorista e nordestina porreta

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Joãozinho tucano e petista

Da série Lá e Lô, a mesma piada contada sob a ótica dos dilmistas e dos serristas:

Uma professora petista do ensino fundamental explicava aos alunos o modo de "ser PT". 
Pediu que levantassem a mão todos aqueles que fossem simpáticos ao partido. 
Todos os alunos, por temerem represálias, levantaram a mão, exceto um menino que estava sentado no fundo da sala. 
A professora olhou para ele, surpresa, e lhe perguntou: 
- Joãozinho, por que não levantou a mão? 
- Por que não sou petista!
- Se não é petista, então com quem você se simpatiza? 
- Com os tucanos!
A professora  cujos ouvidos fanáticos não podiam dar crédito a algo assim, perguntou: 
- Joãozinho, me diga: porque és simpático aos tucanos? 
O menino muito tranquilo respondeu: 
- Minha mãe é tucano, meu pai é tucano, meu irmão é tucano, por isso eu também sou tucano! 
- Bem, mas isso não é um bom motivo. Você não tem que ser tucano como seus pais. Por exemplo, se sua mãe fosse mentirosa, seu irmão um meliante vagabundo e contraventor e seu pai um fraudador, ladrão de dinheiro público, o que você seria? 
- Bom... Neste caso, eu seria petista! 


Uma professora tucana do ensino fundamental explicava aos alunos o modo de "ser PSDB". 
Pediu que levantassem a mão todos aqueles que fossem simpáticos ao partido. 
Todos os alunos, por temerem represálias, levantaram a mão, exceto um menino que estava sentado no fundo da sala. 
A professora olhou para ele, surpresa, e lhe perguntou: 
- Joãozinho, por que não levantou a mão? 
- Por que não sou tucano!
- Se não é tucano, então com quem você se simpatiza? 
- Com os petistas!
A professora  cujos ouvidos fanáticos não podiam dar crédito a algo assim, perguntou: 
- Joãozinho, me diga: porque és simpático aos petistas? 
O menino muito tranquilo respondeu: 
- Minha mãe é petista, meu pai é petista, meu irmão é petista, por isso eu também sou petista! 
- Bem, mas isso não é um bom motivo. Você não tem que ser petista como seus pais. Por exemplo, se sua mãe fosse mentirosa, seu irmão um meliante vagabundo e contraventor e seu pai um fraudador, ladrão de dinheiro público, o que você seria? 
- Bom... Neste caso, eu seria tucano! 

Bolsa Boiola

O cabeleireiro Getúlio Soares, que agora também é blogueiro e colunista social, escreveu um artigo no seu blog, no qual diz que Caicó – uma cidade tida como de “cabra macho” – agora está exportando bichinhas para o Brasil e o mundo.
O texto foi publicado no dia 19 de outubro no endereço http://www.nominuto.com/blog/getulio-soares/, e é preconceituoso: sugere que se Dilma ganhar a eleição de domingo, vai instituir o Bolsa Boiola para beneficiar as bichinhas assumidas de Caicó, que passariam a viver bem longe da cidade.
Nas entrelinhas, insinua a criação de um gueto para viados.
É muito estranho um gay assumidérrimo escrever um artigo que reforça o preconceito contra os gays.
No fim, ele pede que não mandem e-mails desaforados porque é tudo brincadeirinha.
Então ok.
Brincadeirinha por brincadeirinha, a foto que ilustra este post mostra Getúlio fantasiado de Pantera Cor de Rosa, minutos antes do Currais Gay, a Parada Gay de Currais Novos, onde ele foi a estrela maior.
Indiscutivelmente, Getúlio será um dos beneficiários do Bolsa Boiola, se o programa realmente for instituído.
Agora não é brincadeira: é bom que ele aproveite a grana pra fazer um curso rápido de língua portuguesa, com ênfase em concordância nominal e verbal, texto, significado de palavras, entre outros tópicos.
Abaixo, o Bar de Ferreirinha transcreve o artigo que, ao contrário do título, é pré-jurássico.

Tempos pós-modernos
Getúlio Soares*

Estava numa destas noites de insônia e me veio à mente o nome da cidade de Caicó, que desde menino tinha a imagem de uma cidade tida como de “cabra macho”.
Tanto que as mulheres da cidade eram conhecidas pelo nome dos maridos.
Por exemplo: Neném de Cacá, Cléia de Adjuto, Pretinha de Salviano, Zuleica de Jofre, Francisquinha de Zé do Ouro... Por aí vai, muito mais, mas a memória me falha agora.
A cidade era tão machista que, ao adentrar nela, era sentido o cheiro forte de testosterona.
Mas, hoje, não sei o que houve.
Ultimamente Caicó está exportando bichinhas para todo o Brasil e para o mundo. Dizem que é a água do açude Itans.
Quando você se depara com uma gazelinha de sobrancelhas feitas e andar de gueixa, mais parecendo um alfinim; pode perguntar de onde é que a resposta vem logo à tona: Caicó, meu bem!
É por isso que está sendo construída na cidade a Casa do Heterossexual de Caicó, para preservar a espécie, com o apoio do Sebrae, que vai entrar com professores capacitados, oriundos de Serra Negra e Acari, onde o Açude de Gargalheiras ainda não foi contaminado pelos hormônios femininos.
A Casa terá cursos de vaqueiro, como coçar os eggs em público, capacitação para pistoleiros e inclusão à raparigagem, com abertura de um cabaré escola.
Mas, se Dilma Rousseff ganhar a eleição, será criado o Bolsa Boiola, onde as bichinhas assumidas receberão um salário mínimo para viver bem longe da cidade...
Mas, é só se Dilma ganhar, okkkk?!?
Os maiores suspeitos de jogar hormônio feminino nos açudes são os anticoncepcionais e, possivelmente, os hormônios encontrados nos frangos, ou talvez, na colega rural, que o caicoense adooora.
Como diz um amigo meu cientista, imaginem vocês que mulheres e mulheres tomam anticoncepcional e jogam no lençol freático os hormônios femininos da pílula, como progesterona, todos os dias, em grande quantidade que desce sob a forma de xixi.
PS: Não me mandem email desaforados, pois tudo é brincadeirinha.

*Ex-campeão de sumô, luta livre, karatê, jiu-jitsu, ex-adestrador de pitbull, ex-vaqueiro, ex-treinador de leões, campeão estadual de tiro ao alvo, campeão de vale tudo nas olimpíadas estudantis. Atualmente é cabeleireiro, blogueiro e cronista social.

Dodora Cardoso - Obrigada

Deus lhe deu a arte como dom.
A maior cantora de Caicó em atividade, Dodora Cardoso, é a estrela do clipe Obrigada, canção de.Chico Roque e Sérgio Caetano, imortalizada na voz de Alcione.
Com imagens belíssimas da paisagem urbana de Natal e versos de puro lirismo, Dododa Cardoso canta a vida e a arte:

Obrigada meu Deus
Obrigada por tantos valores
O talento das mãos de quem sabe tocar
Os poetas e compositores,
Essa força que eu sinto no ar
Minha vida é um show e o roteiro foi Deus quem traçou
Abro o coração em oração...

Pra começar bem bem o fim de semana e o feriadão, aperte o play e veja:

As propostas de Tiririca

Simpatia

Método muito eficiente, que serve para perder a barriga:
1 - Pegue uma vela branca, um copo d’água e uma imagem de Santo Antônio enrolada numa fita métrica
2 - Meça com a fita métrica a sua barriga, faça uma marca com uma caneta antes de enrolar a fita na imagem do santo.
3 - Coloque tudo isso aos seus pés e deite-se no chão, de barriga para cima. Toque então com as pontas dos dedos (da mão) nas pontas dos pés (que não devem se afastar do chão), dizendo bem alto:
- Santo Antônio, eu quero que o senhor tire essa barriga de mim!
Repita isso 1.500 vezes por dia durante dois anos e 15 dias. 
Você vai ver: é tiro e queda!

Nordestinês para americanos

What the hell is that? = Diabéisso?
Hurry up! = Avia, homi!
Take it easy! = Se avexe não!
Don't be stupid! = Deixe de ser jumento!
Let's go, fellows! = Rumbora negada!
No thanks! = Carece não!
Very far away! = Lá na casaducarai!
Very good = Danado de bom
This way = Peralí
More or less = Marromeno
Straight ahead = No rumo da venta
Get out of the way = Ó o mei! Sai do mei!
That's cool! = É pai d'égua!
I give up! = Eu peço penico!
Wait for me! = Perainda!
Hey, mister! = Psiu, ei seu Zé!
Son of a bitch = Fii duma égua
Come to me, baby! = Ande, Tonha!