quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Meninas, previnam-se!

Clique sobre a imagem para ampliá-la

ESPECIAL - Os 70 anos do CDS


Dom José de Medeiros Delgado
29 de fevereiro de 2012
Os 70 anos do Colégio Diocesano Seridoense



Começam hoje os eventos comemorativos de aniversário do respeitabilíssimo e moderno Colégio Diocesano Seridoense no qual ingressei no final da década de 1940, quando o setuagenário educandário ministrava apenas o Curso Ginasial e  chamava-se Ginásio Diocesano Seridoense. 
Escrever sobre essa efeméride representa para mim grande sacrifício de contensão das ideias por tão numerosos e vastos que são os temas importantes que vão surgindo ao correr da digitação, mas que não cabem no espaço destinado a minhas crônicas no blogue. 
Restringir-me-ei, portanto, ao que não posso excluir sob pena de ser colocado na indesejável pátina obscura da sociedade onde velhinhos esquecidos e apáticos aguardam o fim. 
Não, caríssimos jovens alunos do Colégio Diocesano Seridoense, quem se renova, educa, age e reage, como o setentão aniversariante, não envelhece nunca, é sempre moço, apesar da idade avançada. E nunca esqueçam que o aniversário que hoje se comemora é o futuro do que consideramos passado e que o dia de hoje será o passado, quando se comemorar o centenário e todo o porvir do nosso glorioso Colégio Diocesano Seridoense. O hoje, o atual e o moderno são passageiros, mas o passado é infinito, porque o hoje, o atual e o moderno quase sempre são vaidades do espírito humano, e só o passado é divino. Tudo passa, só o passado permanece presente.
Por isso nesses dias de comemorações a presença inesquecível é a figura impoluta e intrépida de Dom José de Medeiros Delgado, sertanejo de fibra longa, primeiro Bispo de Caicó, depois Arcebispo do Maranhão e do Ceará.
O prédio que construiu para nele instalar o Ginásio Diocesano Seridoense é um dos cartões de visita não só da cidade de Caicó, mas de todo o Seridó. É um monumento à educação. A Acrópole caicoense onde estão depositados todos os embriões dos saberes e das tradições do Seridó, graças a ela, hoje disseminados e admirados pelo Brasil afora.
A história da sua construção são páginas da corajosa e audaciosa atividade desse missionário da educação somada à secular vocação do povo seridoense para tudo quanto diga respeito ao livro que está nas mãos da sua gloriosa Sant'Ana educadora, padroeira que anualmente percorre as ruas da cidade. 
O Colégio Diocesano Seridoense continua sendo a maior e mais influente obra da igreja do povo católico do Seridó.
Com ele nasceram diversas outras importantíssimas instituições de ensino, todas pioneiras, oportunas e operosas, partícipes históricas da intensa fase desenvolvimentista que a região acelerou a partir do Ginásio Diocesano Seridoense.
Refiro-me à Escola Doméstica Popular Darci Vargas, que durante anos funcionou no Colégio Santa Teresinha e que muito contribuiu para o aprimoramento e a divulgação da gastronomia seridoense e o aperfeiçoamento das jovens seridoenses na administração do lar, especialmente no campo da puericultura. Registre-se que, para subsidiar o aprendizado das alunas dessa Escola Domestica, Dom Delgado criou uma creche (Pupileira), que foi a primeira do Seridó, para crianças de zero a seis anos, filhos de mulheres solteiras, empregadas domésticas, lavadeiras de roupa do Poço de Sant'Ana e retirantes! 
Outra importante realização foi a criação da Escola Pré-vocacional. Ministrava aulas do ensino básico e de mecânica, marcenaria e tipografia.  Instalou, portanto, na terra da Escola de Latim do Padre Francisco de Brito Guerra, o ensino técnico. Sob a direção inicial de José Delgado Sobrinho, Eliziário Dantas de Medeiros e Inácio Vale Sobrinho essa Escola Pré-vocacional formou técnicos de alto gabarito profissional para o mercado de trabalho do Brasil, principalmente no setor da indústria gráfica. Legou-nos uma marca histórica que vem servindo de fonte de pesquisa a quantos procuram dados e referências para os seus trabalhados acadêmicos. Para pesquisar esse período no Seridó não se pode trabalhar com segurança sem consultar a velha coleção do jornal semanal “A Folha”. Acrescente-se que os meninos que frequentavam essa escola recebiam não só fardamento, alimentação e o material necessário ao aprendizado como uma pequena ajuda financeira!
Finalmente, o Seminário Santo Cura d’Ars que até hoje, como sempre, prepara sacerdotes operosos como Monsenhor Ausônio Tércio de Araújo, o atual grande timoneiro da educação em Caicó, há anos na direção do Colégio Diocesano Seridoense.
Dom Delgado, homem de ação, foi um pioneiro destemido.
Implantou em Timbaúba dos Batistas o primeiro núcleo da Juventude Católica Rural do Brasil. Foi pioneiro no Rio Grande do Norte do movimento de pós-guerra da Igreja Católica, do qual se originou a Ação Social da Igreja no Nordeste. Ainda em Caicó, no terreno do chamado Cemitério Velho, construiu o Departamento Diocesano de Ação Social (inicialmente denominado Casa do Pobre da Diocese de Caicó), enfrentando forte resistência de pessoas, inclusive de padres, que tinham parentes ali sepultados. 
Para construir o Ginásio Diocesano Seridoense Dom Delgado saiu de porta em porta, de curral em curral, pedindo contribuições, especialmente aos fazendeiros. Talvez o verbo pedir não traduza a realidade do que se passava.  Dom Delgado não pedia, de fato ele arrancava a contribuição que desejava. 
Meu pai estava na bodega, início de tarde quente e de raros fregueses, sentado em seu tamborete, lia jornal do dia anterior editado na Capital do Estado, quando foi surpreendido pela chegada do Bispo acompanhado de alguns assessores.
− Seu Zé Adelino, o senhor foi escolhido para contribuir com quinhentos mil reis para a construção do ginásio. Que dia posso mandar receber? Meu pai, atônito, apenas balbuciou: "Senhor Bispo!".
− Zé Adelino, atalhou Dom Delgado, com o que lhe estou pedindo quero construir o futuro do seu filho, abrindo o caminho para ele chegar aonde queira ir pelos estudos. Como ele se chama? 
Eu tinha de sete para oito anos e me encontrava na bodega, onde fora buscar algo que minha mãe pedira.
− Ele se chama Francisco, Dom Delgado, mande apanhar minha contribuição na próxima semana. Já tinha resolvido que ele iria ser bodegueiro mesmo, como eu, mas o Senhor quer que ele seja doutor, que queira Deus também!
Dos cinco filhos meu pai formou quatro, dois médicos, um engenheiro e um advogado. Não fora o Ginásio Diocesano Seridoense nenhum de nós teria chegado à Universidade!
Não foi, pois, sem razão que Renato Dantas, o maior orador caicoense de todos os tempos, ao discursar na inauguração do Ginásio Diocesano Seridoense comparou a obra a verdadeiro milagre. Milagre permanente que ainda hoje sustenta acesa a chama da pertinácia dos caicoenses de fibra em vencer dificuldades e continuar crescendo, porque, além da nossa índole forte como as rochas graníticas do nosso sertão, Dom Delgado nos ensinou que a ciência é a luz que nos guia.
Procurador federal e ex-prefeito de Caicó

Eu sou advogado!

Diálogo de marido e mulher:
- Querido, o ferro não esquenta. Dê uma olhada, por favor...
- Acorda! Eu não sou eletricista! Sou advogado! 
No outro dia:
- Ei, a pia entupiu. Você pode dar uma olhadinha?
- Acoooordaaaaaa, gata!!! Eu não sou encanador!!! Eu sou um advogado!!!!!
Na segunda-feira seguinte:
- Querido, a torradeira está pegando fogo!
- Putaquipariu, vê se acorda de uma vez por todas: eu não sou bombeiro, sou ad-vo-ga-do!
No fim de semana, descansando, ele descobre que tudo o que a mulher havia reclamado estava em perfeito funcionamento.
E pergunta:
- Querida, quem fez todos esses reparos?
- Sabe aquele seu amigo engenheiro que você trouxe para jantar aqui no sábado passado?
- Sei.
- Então, ele se prontificou a consertar tudo.
- Como assim? Ele fez tudo de graça?
- É claro que não! Ele me disse que eu poderia pagar de duas formas: eu faria outro prato igual ao que ele jantou aqui ou lhe dava o prazer de um sexo bem animal...
- E o que você fez?!?!
- Helloooo... Acoooordaaaa!!!!! Eu não sou co-zi-nhei-raaaaaa...

Verbo novo: facebookar

ARTIGO

Para você que lá de cima vê a gente melhor
Elton Simoes




Caro Armando,
Em março próximo se completará mais um ano desde que o mundo ficou mais triste, mais feio e menos inteligente. Serão mais 365 dias sem poder contar com sua presença aqui na Terra.
Você sabe que sou ateu e, portanto, não acredito na continuidade da existência humana após a morte. Torço para que eu esteja errado e que você, ai de cima, receba esta minha mensagem. Às vezes, estar errado é bom.
Quando você andava cá embaixo, tive a oportunidade (ou talvez a pretensão) de ser seu colega e amigo. Sempre admirei várias de suas qualidades. A maior delas era o seu talento para desmanchar no ar as tensões e conflitos entre as pessoas que te cercavam. Você sempre trouxe harmonia. Talvez tenha sido esta uma das minhas inspirações para me dedicar ao estudo da resolução de conflitos.
De certa maneira, sou um estudante em segunda época. Provavelmente, se tivesse prestado mais atenção em você, não precisaria dos livros. Compreendo agora que os conflitos estarão sempre presentes na vida e que, se bem trabalhados, são parte importante da experiência humana. São os conflitos que nos levam para frente, mas para isso, eles precisam de alguma maneira ser endereçados. Tudo isso, você já sabia e praticava.
Por aqui me ensinaram que o que você intuitivamente praticava se chama mediação. Aprendi que, para mediar, é necessário ser imparcial e compreender que a chave da solução está sempre na comunicação entre as partes, e, para isso, o mediador precisa aprender a ouvir cada uma das partes, interagindo com elas de maneira clara, franca, e não acusatória.
O mediador precisa, em suma, ser o intermediário confiável entre duas partes que não tem, em principio, confiança uma na outra.
Fazer as perguntas certas ilumina o caminho para a solução do problema e diminui a hostilidade. Você fazia tudo isso como ninguém. Você já compreendia que, por trás de posições aparentemente incompatíveis em cada conflito, há interesses que, se identificados e endereçados, poderiam ser conciliados.
Queria que você estivesse por aqui para eu poder discutir estas coisas todas com você e, quem sabe, aprender um pouco mais. Conforme disse no inicio desta carta, torço para que você esteja ai em cima nos assistindo da arquibancada. Se estiver, por favor, arranque desta mensagem um abraço apertado deste seu amigo.
Cá embaixo, gente como você está em falta.
Saudades, 
Elton Simoes

Elton Simoes mora no Canada há 2 anos. Formado em Direito (PUC); Administração de Empresas (FGV); MBA (INSEAD), com Mestrado em Resolução de Conflitos (University of Victoria). Email: esimoes@uvic.ca.

Aprovado o texto base da Lei Geral da Copa

A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou ontem o texto base da Lei Geral da Copa, conjunto de regras para a organização do evento, mas os principais pontos serão somente votados hoje.
Entre eles, a liberação de bebida alcoólica nos estádios e regras para meia-entrada. 
Outro ponto questionado é uma "cláusula penal" para quem desistir de comprar o ingresso da Fifa.
O texto da Lei Geral da Copa deverá ir ainda ao plenário da Câmara e seguir para o Senado antes de virar lei.
Pelo texto do relator, os estudantes terão meia-entrada somente na categoria 4 de ingressos, na chamada "cota social". 
O benefício valerá também para integrantes do Bolsa Família e o preço final deverá sair a US$ 25 (cerca de R$ 42). 
Ao contrário dos estudantes, os idosos terão o desconto em todas as categorias, que inclui ingresso de até US$ 900 (pouco mais de R$ 1.500).
Depois de diversas mudanças, o projeto apresentado na comissão libera o consumo de cerveja nos estádios, desde que em copo plástico e somente durante a Copa do Mundo e Copa das Confederações.
Integrantes do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos Estaduais pediram que não fosse aprovada a liberação de cerveja na Copa. 
Para os promotores, a proibição de álcool nos estádios reduz a violência e o Mundial não pode ser uma exceção.
A liberação da cerveja é um dos pontos que sofre resistência entre os próprios deputados, mas a Fifa exigiu a aprovação para cumprir o contrato de patrocínio com uma cervejaria.

Da Solidão

Por Paulo Coelho...

Na minha opinião, a solidão é o pior de todos os males. Ao contrário da fome, da sede, da doença que – quando nos atingem, nos forçam a combatê-las – a solidão muitas vezes se mascara com uma aura de virtude e renúncia.

Não é nada disso. Embora seja importante ter momentos só para nós, a vida neste planeta está ligada aos outros. Precisamos nos despir de todos os nossos bloqueios, e sair em busca de amor, carinho, companhia.
Não se envergonhe de agir assim; é a luta mais digna que alguém pode travar.Se envergonhe, isto sim, de não fazer o que seu coração pede.
O resto são conselhos. E preconceitos de quem não tem coragem de lutar...

Dentadas

"Os politicos brasileiros além de serem corruptos são cleptomaníacos".
***Caco Dentão***

Todo castigo pra corno é pouco

Por Newton Silva...


Cornélio era desses homens pequenos, franzinos, tímidos, risinho fraco. Puxava uma perna, andava de cabeça baixa e pouco falava com os colegas de trabalho. Era de corar quando lhe contavam qualquer piada obscena. Muito competente e pontual no trabalho era por isso respeitado por todos na repartição pública. O típico cidadão comum daquela canção de Belchior. “Vivia o dia e não o sol, a noite e não a lua. Acordava sempre cedo, era um passarinho urbano. Era um homem de bons modos: Com licença; foi engano“.
De casa para o trabalho e do trabalho para casa. Sair com os colegas para tomar uma cerveja depois do expediente, então, nem pensar!
Agora, o cabra era muito azarado. Eu digo azarado porque Cornélio teve a ousadia de se casar com uma belíssima mulher! Loura, olhos azuis e penetrantes, boca vermelha, carnuda, faces rosadas, sardenta, sorridente. Seios fartos e bunda torneada como numa escultura de porcelana, coxas grossas, pele dourada, perfumada. Um encanto de mulher. Uma manga-rosa!
“A manga rosa,
Peitos gostosos,
Rosados doces
Mama
Teu sumo escorre
da minha boca”.
Deixando a poesia de Ednardo de lado e voltando pra história, esse foi o primeiro azar de Cornélio. O segundo azar aconteceu numa dessas festas de confraternização de fim de ano. O chefe de Cornélio, um cabra corpulento, mãos grandes, bem-sucedido na vida, galanteador e assediado pelas mulheres, botou o olho na bela mulher de Cornélio. Foi uma olhada tão forte que todo mundo percebeu. Reinou assim um silêncio quando ela entrou de mãos dadas com o tímido e desengonçado Cornélio. Ela nem percebeu o grandalhão a comer-lhe com os olhos. Isso acabou com ele. Como pode? Ele um homem bonito, jovem, assediado por homens e mulheres! Como ela não percebeu aquela olhada fenomenal?
- Essa é a mulher do Cornélio? – perguntou para outro funcionário – Sério? Não acredito! Como é possível que uma deusa como essa pode ter casado com um sem-graça como esse feladaputa do Cornélio? – Essa mulher vai ser minha! Olha o que eu tô dizendo! Vai ser minha, nem que eu mate o Cornélio! Isso nasceu pra ser corno! – ameaçou, colérico, falando para si mesmo, entornando uma taça de champanhe e outra e outra e outra.
Cornélio e a mulher realmente faziam um casal destoante. No entanto, pareciam felizes. Trocavam mimos, beijinhos e não largavam a mão um do outro. Isso deixava o chefe de Cornélio inconsolável, febril, completamente bêbado, observando-os de longe como uma ave de rapina.
- Cuidado Cornélio! – disse um colega à boca pequena – O chefe tá de olho na tua mulher! Fica esperto que o chefe já comeu a maioria das mulheres aqui da repartição. Ele disse que vai te transferir pro interior, lá nos cafundós do judas, lá onde o cão perdeu as botas, só pra investir na tua mulher. Se eu fosse tu, ficava de olho bem aberto. Eu acho que ele não tá muito bem do juízo, não! Ele disse que tu nasceu pra ser corno! Tu sabe, né, chefe é chefe!
- Quanto mais chefe, mais chifre! – falou o Cornélio. – Eu vou mostrar quem é que nasceu pra ser corno. Pode deixar, que essa mulher nasceu pra mim e mais ninguém. Eu não tenho nem medo. Ela gosta de mim e pronto! Tanto que casou comigo. Pode deixar que posso não ser um galã como ele, mas não sou besta não! E pro interior é que não vou!
- Égua, Cornélio! Agora tu falou grosso! Gostei de ver!
No dia seguinte, o chefe de Cornélio foi encontrado dentro do banheiro da repartição, numa poça de sangue, se esvaindo como um porco. O vaso sanitário partido ao meio, uma cena horrível. A polícia concluiu que fora um fatal acidente no vaso sanitário.
– Muito comum. – explicou o perito – Algo não muito divulgado. A louça não foi feita para suportar o peso completo do corpo. Acontece muito.
O chefe de Cornélio havia sido castrado no acidente. A polícia só não soube explicar como o saco escrotal foi parar dentro da boca do infeliz...

Velhinho escroto

Um velhinho de oitenta e um anos foi acusado de estupro.
No Tribunal, a advogada do idoso,uma morena muito gostosa, segura seu pau e pergunta ao Juiz:
- V.Excia acha que esse pau velho mole e “desfalecido” poderia violar alguém?
O velhinho escrôto, murmura no ouvido da advogada:
- Doutora não balance muito não, senão a gente perde a causa...

Da história vista de baixo

Por Hercilia Fernandes...

Deveria ser mais politizada...
como historicizar-se engajada
se, factualmente, retalha-se
à ideia de amor?
lutas de classe, gênero, cor...
renderam-se aos seus declínios
não consegue mover-se
palmo acima, região do umbigo,
nem abaixo...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

UMA BOS... NIA

Lateral esquerdo Marcelo marcou o primeiro gol do Brasil
Brasil vence Bósnia graças a 
um gol contra no final do jogo

Com um gol contra no fim da partida, a seleção brasileira superou a Bósnia-Herzegóvina por 2 a 1 hoje em St. Gallen, na Suíça, no primeiro amistoso da equipe dirigida por Mano Menezes em 2012.
O lateral esquerdo Marcelo abriu o placar, aos 3min do primeiro tempo. 
A Bósnia empatou aos 13min, em uma falha de Júlio Cesar. 
Aos 45min, do segundo tempo, após forte cruzamento de Hulk, Papac fez o gol contra.
Esse foi o quinto jogo seguido do Brasil contra um time sem muita tradição no futebol mundial. 
Antes, o Brasil derrotou Costa Rica, México, Gabão, Egito e o Centenário de Parelhas.
A última grande seleção que o Brasil encarou e ganhou, a Argentina, foi em setembro de 2011. 
Mas nesse duelo, os times não contaram com atletas que atuam na Europa.
A Bósnia, adversária desta terça, é a 19ª colocada no ranking da Fifa. 
A seleção brasileira é a sétima desta lista.
O próximo amistoso da seleção já confirmado pela Fifa é contra a Dinamarca em Hamburgo, na Alemanha, no dia 26 de maio.
E está quase confirmado o jogo inaugural da Arena do Jegue, em Timbaúba dos Batistas, entre Brasil e Seleção de Timbaúba em julho de 2013.

Ilha de Santana poderá ser interditada

Por Gláucia Lima
Considerando que a Ilha de Sant’Ana é uma área de preservação e está localizada entre dois rios, o Superintendente do Ibama, Alvamar Queiroz, confirmou em entrevista concedida a esta blogueira na manhã de ontem, 27, que o local também receberá visita da equipe que está fiscalizando e notificando os clubes das proximidades do Itans em Caicó.
Segundo Alvamar, o Ibama precisa saber se o local foi licenciado, quais as cláusulas para o licenciamento e vários outros fatores.
Alvamar informou ainda que não sabe se será nessa ou em outra visita, visto que os agentes estarão visitando o Açude de Gargalheiras, Barragem Passagem das Traíras e outros reservatórios da região do Seridó.
Não se trata de possibilidade.
A visita – e possível interdição da Ilha caso a construção não obedeça os parâmetros definidos em lei – é uma realidade - disse Alvamar.

DEBATE

Câmara Municipal e Assembleia Legislativa
vão debater interdição do Caicó Iate Clube

A interidção pelo Ibama das instalações do Caicó Iate Clube, ocorrida no último fim de semana, está motivando a convocação de audiências públicas na Câmara Municipal de Caicó e na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.
Desde sábado que o acesso à principal área de lazer de Caicó foi suspenso, devido à interdição determinada pelo Ibama - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.
Hoje, o presidente da Câmara Municipal de Caicó, vereador Leleu Fontes, disse na Rádio Rural que a interdição e a aplicação de multas aos proprietários será discutida no plenário, em audiência pública.
Ele deve convidar o superintendente do órgão no Rio Grande do Norte, Alvamar  Costa de Queiroz, para que ele esclareça os motivos da ação.
Segundo Leleu, pequenos proprietários no entorno da bacia do Açude Itans estão sendo multados pelo órgão ambiental, e a maioria não tem como arcar com a penalidade.
O deputado Nélter Queroz, também na Rádio Rural, disse que o assunto será tratado hoje na sessão plenária da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.
Ele se disse preocupado com os efeitos econômicos da medida, especialmente para os seridoenses que vivem de atividades econômicas nos balneários, como o Itans, o Gargalheiras e outros.

De olho no mundo - 30

28 de fevereiro de 2012

Carnaval do milhão
Um amigo querido ligou indignado com a quantidade de pessoas que a mídia estipulou para alguns momentos do último Carnaval – fato comum nos grandes eventos brasileiros e que vira manchete.
Instigado por esse amigo, convido você a marcar no chão um quadrado simples. Deve, apenas, ser um quadrado perfeito, com quatro lados de um metro cada. Agora chame três pessoas que estiverem por perto e entre com elas nessa trapizonga.
Pois bem, quatro pessoas por metro quadrado é o padrão para medir grandes multidões, quando se diz que o lugar estava superlotado, botando gente pelo ladrão.
No Rio, o Cordão do Bola Preta teria arrastado 2,5 milhões de pessoas em seu cortejo folião. “Não cabe!” – vociferou aquele meu amigo indignado do telefonema. “É uma questão simples de matemática. Basta calcular a metragem do espaço e colocar quatro pessoas por metro quadrado, que significa um aperto danado”, complementou o arquiteto que também pilota helicópteros.
Matéria do jornal O Globo lança desconfiança sobre o número e afirma que, com muito boa vontade, o cortejo alcançou 540 mil pessoas – colocando dez pessoas por metro quadrado, o que seria quase insuportável.
E o meu amigo volta à carga, implacável. “Trabalhei com o helicóptero fazendo cobertura aérea durante o Carnaval. Dois milhões de pessoas no Galo da Madrugada? A população da cidade é um milhão e meio! Enquanto o bloco desfilava, também sobrevoei Olinda. Estava tudo lotado por lá”.
Para esse número bater com a realidade, é como se todo mundo que vive no Recife estivesse em cima daquela ponte ou nas ruas do derredor. Sem ficar ninguém em casa. Ninguém. Nem os velhinhos que já não se locomovem. Até os internos das UTIs e os presidiários precisariam ajudar na conta. Motoristas e cobradores de ônibus, funcionários do metrô, taxistas, vigilantes, militares de todas as fardas, médicos e enfermeiros de plantão, recém-nascidos, religiosos, freiras enclausuradas... Nem o bispo escaparia da farra.
Além dessa possibilidade completamente improvável, outro meio milhão de pessoas teria que desabar sobre o Recife e se juntar obrigatoriamente à população inteira, já concentrada ao redor do galo famoso. Nenhum turista poderia ir a outro lugar na cidade.
Noutra opção, supondo que 500 mil recifenses decidissem não ir atrás do Galo, o que é muito provável, e “somente” um milhão dos habitantes sentassem praça nesse frevo, teria de chegar outro milhão à cidade para completar os dois milhões anunciados.
Se esse milhão de visitantes viesse de ônibus, lotaria 20 mil daqueles modernos e enormes. Onde ficariam estacionados tantos busus? Se optassem por chegar espremidos em carros, seriam 200 mil automóveis brigando por uma vaguinha. Ah, viriam de avião? Nada menos de 5,5 mil aeronaves comerciais desceriam no Aeroporto dos Guararapes, num fuzuê que tiraria Boa Viagem do prumo.
Onde se hospedariam esses foliões visitantes? Seriam necessários 833,3 hotéis de 20 andares, com 30 quartos por andar – totalizando 600 apartamentos em cada hotel e dois hóspedes por apartamento. Nem São Paulo tem essa capacidade instalada, mesmo juntando hotéis, flats, pousadas, pensões, albergues e mosqueiros em geral.
Outro amigo que gerenciou hotéis e hoje atua como consultor na hotelaria paulistana é taxativo: “Temos em São Paulo 42 mil apartamentos, divididos em 410 hotéis”. Ou seja, a maior cidade da América do Sul só consegue acolher 84 mil pessoas ao mesmo tempo, se colocar dois hóspedes em todos os apartamentos oferecidos pela rede hoteleira. Resignado, refiz as contas com os parâmetros corretos. Dessa maneira, seriam necessários 5 mil hotéis com cem apartamentos na Veneza Brasileira, um parque hoteleiro 12 vezes maior do que o paulistano.
Tá bom, mesmo que o acolhedor povo recifense hospedasse em casa a metade do milhão de pessoas que chegasse – haja espírito de acolhimento –, ainda precisaríamos de 2,5 mil hotéis para acomodar o resto. Seis vezes mais do que o que Sampa oferece!
Ah, ia me esquecendo: e o povaréu que meu amigo viu lá do céu, lotando os becos históricos de Olinda na mesma hora em que o Galo da Madrugada reinava absoluto? Outro milhão?
Felizmente, esses exageros são incapazes de tisnar o extraordinário espetáculo carnavalesco que o brasileiro promove a cada fevereiro em diversas cidades. Querendo apenas se divertir, sem fazer qualquer conta de chegada, ignorando solenemente os milhões de pessoas inventadas pelos organizadores.

Sonhos femininos



01. Um deslumbrante vestido tomara que caia.
02. Uma calcinha tomara que tirem.
03. Um sutiã tomara que sustente.
04. Um absorvente tomara que não vaze.
05. Uma meia tomara que não desfie.
06. Uma celulite tomara que não percebam.
07. Um salto tomara que eu não caia.
08. Um namorado tomara que me ligue.
09. Um amante tomara que não broxe.
10. Um marido rico… Tomara que morra!!!

ARTIGO

Brasil: década perdida
Ivar Hartmann


Na década de 1980 o Brasil vivia a retração da produção industrial e a queda do PIB. Grande desemprego, estagnação da economia e índices de inflação muito elevados, com as consequências: perda do poder de consumo da população, aumento da dívida externa e do déficit fiscal. O mesmo castigo quer agora os governos europeus exigir da Grécia, como condição para emprestar-lhe dinheiro que servirá, não para implementar grandes projetos de desenvolvimento, mas sim para pagar bancos internacionais que não querem ter prejuízo. Ou seja, a receita antiga do FMI. 
Para se pagar os bancos credores que manipulam governos e cobram juros e taxas ilegais a maioria da população deve sofrer e passar a viver na miséria como os brasileiros de então. A Argentina, em 2005 devia 102 bilhões de dólares. Graças à moratória decretada pelo então presidente, o falecido Néstor Kirchner, acertou pagar entre 25 a 30 centavos por dólar devido. Conseguiu reestruturar entre 70% a 80% da dívida. Um êxito mesmo para os seus piores críticos. Uma conta de US$ 102 bilhões ficou por US$ 30 bilhões.  
Uma decisão destas é a ideal para países desesperados, sem condições de pagar suas contas. Nenhum país tem amigos. Tem é interesses nacionais a serem defendidos.
A Grécia deve hoje 164% de seu PIB. O governo grego aceitou um pacote que eliminará mais de 100 mil empregos, diminuirá os salários, aposentadorias e benefícios sociais e levará o país a recessão. Para, se tudo der certo, ficar devendo, em 2020, 120% do PIB. Serão 8 anos de sofrimento para nada. 
Como sempre, ninguém fala em diminuir o número de parlamentares, ministros, apadrinhados e suas benesses. Estes continuam ganhando como se trabalhassem. Trabalham sim: para a banca internacional! A economia de um país tem muito a ver com a de uma casa: quem ficou devendo muito tem que trabalhar mais e não ficar em casa esperando novidades. Tem que acertar suas contas com os bancos, exigindo – como fazem os brasileiros hoje endividados – pagar nada de juros e honrar apenas parte do capital inicial. 
A Grécia é a Argentina de hoje. Deveria fazer o mesmo porque o futuro, se aceitar o plano, é ainda mais tenebroso. Entre dar prejuízo aos bancos internacionais ou fazer sofrer seu povo, um governo não pode pensar duas vezes. Só lutando nas ruas os gregos poderão se livrar dos sacrifícios em vão que pretendem lhe impingir.


Promotor de Justiça aposentado. Foi professor de direito nas Universidades de Cruz Alta e Novo Hamburgo e professor de história no ensino médio do RS. Envolvido com causas comunitárias, escreve semanalmente para vários jornais do país. Reside em Novo Hamburgo. Email: ivarhartmann@terra.com.br

Bicos X Bolas

A diferença entre eles
Há uma distinção clara entre as expressões Ter Peito e Ter Culhões.
Todos mundo já ouviu falar em alguém 'ter peito' ou 'ter culhões', mas quase ninguém sabe a diferença entre os dois estilos.
O Bar de Ferreirinha esclarece a diferença entre as duas expressões.
Ter peito é chegar em casa tarde da noite, após uma balada com os amigos, ser recebido por sua mulher segurando uma vassoura e perguntar: 'Ainda está limpando a casa, ou vai voar para algum lugar?'
Já ter culhões é chegar tarde da noite em casa, após uma balada com os amigos, cheirando a perfume e cerveja, batom no colarinho, dar um tapa na bunda da sua mulher e dizer: 'Você é a próxima, gordinha!'
A única coisa em comum nas duas situações é que ambas acabam com a morte no ousadinho!

Meus Sinais

Por Lena Lopez...

Meus seios
são minha marcas pessoais
indeléveis
minha identidade mais visivel
de fêmea vopluptosa
Quando por ti tocados
levam-me a uma inércia
de desejos e prazer
Tua mãos finas e macias
repletas de delicadeza
os exploram com malícias
com teu jeitinho de fêmea
Nas tuas carícias me perco
e desejo a tua boca
sobre meus seios eriçados
molhando-os com tua saliva
e isto me deixa excitada
te desejo mais ainda
fico louca por teus afagos
em círculos da tua língua
Meus seios se fazem duros
pontudos e arrepiados
signos de excitação
sinais que te dão certeza
que estou pronta pra ti...

Fofoqueiras

Sofia, a garota mais fofoqueira do colégio, chega ofegante para contar uma novidade e tanto para a amiga:
- Dani, você não sabe da última!
- Não sei mesmo. Responde a amiga, indiferente.Mas se você contar, eu vou ficar sabendo!
- Então, sabe a Lúcia? Aquela loira, de olhos azuis, do terceiro ano?
- Aquela metida? Pergunta Dani, despeitada. O que tem ela?
- Você não vai acreditar. Continua Sofia.  Ela ficou grávida!
- Ah, isso não me surpreende. Responde a amiga, com naturalidade. E eu sei muito bem de quem é o filho!
- Sabe mesmo? Pergunta Sofia, curiosa.
- Sei! E tenho certeza absoluta!
- Ah, então vamos ligar pra Lúcia agora mesmo! A coitada tá louquinha pra saber...

Alfabeto Concreto

Por Millôr Fernandes...
ABCdário.

Esta composição gestaltiana levou anos, literalmente, para ser feita. Foi melhorando na medida em que o tempo - os anos, Deus meu! - foram passando. Publicada a primeira vez em 1958, na revista O Cruzeiro, foi reescrita para várias publicações. Não se consegue fazer esse tipo de coisa, numa sentada só. Tem que ser um pouco chinês.

O A é uma letra com sótão. Chove sempre um pouco sobre o à craseado. O B é um l que se apaixonou pelo 3. O b minúsculo é uma letra grávida. Ao C só lhe resta uma saída. O Ç cedilha, esse jamais tira a gravata. O D é um berimbau bíblico. O e minúsculo é uma letra esteatopigia (esteatopigia, ensino aos mais atrasadinhos, é uma pessoa que tem certa parte do corpo, que fica atrás e embaixo, muito feia). O E ri-se eternamente das outras letras. O F, com seu chapéu desabado sobre os olhos, é um gangster à espera de oportunidade. O f minúsculo é um poste antigo. A pontinha do G é que lhe dá esse ar desdenhoso. O g minúsculo é uma serpente de faquir. O H é uma letra duplex. A parte de cima é muda. Serve também como escada para as outras letras galgarem sentido. O h minúsculo é um dinossauro. O I maiúsculo guarda, em seu porte de letra, um pouco do número I romano. O i minúsculo é um bilboquê. O J, com seu gancho de pirata, rouba às vezes o lugar do g. O j minúsculo é uma foca brincando com sua bolinha. Vê-se nitidamente; o K é uma letra inacabada. Por enquanto só tem os andaimes. Parece que vão fazer um R. Junto com o k minúsculo o K maiúsculo treina passo-de-ganso. O L maiúsculo parece um l que extraíram com raiz e tudo. Mas o l minúsculo não consegue disfarçar que é um número (1) romano espionando o número arábico. O M maiúsculo é um gráfico de uma firma instável. O m minúsculo é uma cadeia de montanhas. O N é um M perneta. No n minúsculo pode-se jogar críquete com a bolinha do o. O O maiúsculo boceja largamente diante da chatice das outras letras. O o minúsculo é um buraquinho no alfabeto. O p é um d plantando bananeira. Ou o q, vindo de volta. O Q maiúsculo anda sempre com o laço do sapato solto. O q minúsculo é um p se olhando de costas ao espelho. O R ficou assim de tanto praticar halterofilismo. Sente-se que o s é um cifrão fracassado. O S maiúsculo é um cisne orgulhoso. Na balança do T se faz jusTiça. O U é a ferradura do alfabeto, protegendo o galope das idéias. O u minúsculo é um n com as patinhas pro ar. O V é uma ponta de lança. O W são vês siameses. O X é uma encruzilhada. O Y é a taça onde bebem as outras letras. Desapareceu do alfabeto porque se entregou covardemente, de braços pra cima. O Z é o caminho mais curto entre dois bares. O z minúsculo é um s cubista...

Bibica vai a Dilma para reabrir o Iate

Diante da recente operação do IBAMA no Seridó, que resultou no embargo de balneários às margens do açude Itans, em Caicó, o empresário Bibica Di Barreira pré- candidato a prefeito de Caicó confirmou ao blog que pedirá informações ao órgão fiscalizador por discordar da metodologia utilizada.Segundo Di Barreira, essa interrupção inesperada causa graves danos ao turismo regional, que tem nesses locais pontos de geração de emprego e renda. Mais do que o pedido de informações, o empresário pretende se encontrar com a presidente Dilma para resolver esse problema...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

VIAGEM CARA



Uso de drogas provocou despesa milionária à Previdência em 2011


Problemas decorrentes do uso de drogas já bateram às portas do INSS e começam a preocupar o governo. 
No ano passado, a Previdência concedeu 124.947 auxílios-doença a dependentes químicos.
O afastamento pelo uso de drogas proibidas, como crack, cocaína, anfetaminas e maconha chega a ser oito vezes maior do que pelo consumo de álcool e cigarro. 
Os dados são do Ministério da Previdência.
A conta para o governo com essa despesa foi de, no mínimo, R$ 107,5 milhões em 2011. 
A Previdência tem dificuldades para calcular o valor exato devido à complexidade desses pagamentos. 
O auxílio-doença varia de um salário mínimo a R$ 3.916. 
O valor médio pago aos dependentes químicos é de R$ 861.
O número é crescente. 
De 2009 para cá, a Previdência concedeu mais de 350 mil auxílios a pessoas que precisaram se afastar do trabalho por uso de drogas.

ERA SÓ O QUE FALTAVA!

Beatas atacam padre depois 
de engolir hóstia alucinógena

Algumas fiéis da Santo Espírito de Campobasso, na região central da Itália, abraçaram o crucifixo, outras começaram a ter visões de santos. 
Outras, por sua vez, começaram a bater no padre e gritar: "Você é o demônio".
Toda essa confusão foi registrada no domingo de Carnaval, dia 19, porque as hóstias foram feitas com uma farinha alucinógena em vez da farinha comum. 
Trata-se de um caso de "ergotismo", uma intoxicação alimentar causada por farinhas de cereais contaminadas por esclerócios que atingem a safra do grão.
Esses organismos microscópicos contêm uma grande quantidade de fungos, perigosos para a saúde, entre os quais costumam encontrar-se muitos agentes psicotrópicos, parecidos com o ácido lisérgico, ou LSD.
Assustado, o padre da Igreja de Campobasso foi obrigado a se esconder na sacristia à espera da polícia. 
A retirada dos fiéis foi confusa, lembrando os protestos antiglobalização ocorridos na cúpula do G-8.

POEMA



A vez da vida
Gilberto Costa

Um minuto para falar tudo
Antes do silêncio do minuto.
Um brilho mexendo na frente
Da gente! Um aceno sorridente,
Gesto produzido somente
Para recepcionar o carinho!
Mais um aceno acompanhado
De outro aceno não mais sozinho.
Um par de sons compassado,
Gerado no passado da concepção!
Choro! Valeu a pena dizer não
À interrupção da gravidez!
Valeu não deixar a vida sem vez!

ABC ganha o primeiro turno do Estadual

Washington comemora gol do título. Foto: Alex Régis (TN)

Com o Frasqueirão lotado, o ABC sagrou-se campeão do primeiro turno do Campeonato Estadual de Futebol, ao vencer o América.
O placar de ontem foi o mesmo de Goianinha, na quinta-feira: um a zero. 
O gol que valeu a conquista marcado por Washington, aos 25 minutos do primeiro tempo.
Com o resultado, o alvinegro levou o título do primeiro turno do campeonato Estadual 2012.
Clique abaixo e veja o gol:

CONSTATAÇÃO

Emprego concorrido

Um desempregado comparece ao SINE de Natal para ver se havia algum emprego disponível.
Chegando lá, viu um cartaz escrito: "Precisa-se de assistente de ginecologista".
Ele foi ao balcão e perguntou pelo trabalho.
- Pode me dar mais detalhes?
E o funcionário: 
- Sim senhor. O trabalho consiste em aprontar as jovens pacientes para o exame. Você deve ajudá-las a se despir, e cuidadosamente lavar suas partes genitais. Depois você faz a depilação dos pelos púbicos com creme de barbear e uma gilete novinha... Depois esfrega gentilmente óleo de amêndoas doces, de forma a que elas estejam prontas para o ginecologista. O salário mensal é de R$8.500,00 com carteira assinada e demais benefícios, mas você deve ir até Timbaúba dos Batistas.
- Nossa, são 300 km de Natal e eu moro aqui. É lá o emprego?
- Não, lá é o fim da fila!

Pré-venda para shows de Bob Dylan começa hoje

Bob Dylan (de chapeu) se apresenta em Timbaúba dos Batistas dia 27 de abril

A pré-venda dos ingressos para os shows de Bob Dylan em São Paulo começa hoje.
Ele se apresentará em sete shows no Brasil a partir do dia 15 até o dia 27 de abril. 
Em São Paulo, os shows serão realizados no Credicard Hall (zona sul) nos dias 21 e 22 abril. 
As entradas têm preços que variam entre R$ 150 e R$ 900.
O expoente do folk também passa pelo Rio de Janeiro (15 de abril), por Brasília (17 de abril), Belo Horizonte (19 de abril), Porto Alegre (24 de abril) e Timbaúba dos Batistas (27).
Timbaúba, aliás, é a única cidade do Nordeste a receber a turnê do artista norte-americano.
Para os demais shows, as entradas serão vendidas a partir de 5 de março.
Dono de inúmeros hits como "Like a Rolling Stone", "Knockin' On Heaven's Door", "Hurricane", "Lay, Lady, Lay" e "Mr. Tambourine Man", Dylan vem ao Brasil com a promessa de fazer uma turnê repleta de clássicos que marcaram sua carreira.

A torcida

A loira estava tentando tirar a tampa da Coca-Cola PET, e não conseguia.
- Que inferno!
O dono do bar explicou:
- Você tem que torcer.
E a loura, batendo palmas:
- Abre! Abre! Abre! Abre! Abre!...

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Fatos sem fotos da folia
Gilberto Costa


A COLOMBINA DO ARMÁRIO
Fim do relacionamento conjugal. 
A tristeza que há tempo pesava sobre o espinhaço daquela jovem, ainda na fulô da idade. 
Festa de Santana e nada, não conseguia sair de casa nem para assistir às novenas! 
Noite de Natal e Ano Novo, mesmo jeito, recolhimento total. 
E era de dar dó naquela menina!
Carnaval 2012! 
Um rebuliço desde o início de fevereiro começa a tomar conta da pobre recolhida. 
E ela mexeu no guarda-roupa e encontrou algumas peças que lhe caíam bem. 
Afinal, ainda exibia e mantinha a estética quase intacta. 
Dava para impressionar, segundo lhe respondia o espelho! 
Prepara-se para sair no Camburão da Folia e desiste. 
Vem a quinta-feira e ela resolve promover sua reestreia no PsicoFolia. 
Não tem jeito. Teme o falatório. 
E chega a sexta-feira! Virgens do Treme-Treme ou Quengas do Magão? 
Virgem não. Virgem treme! Melhor quenga. Quenga aguenta rojão!
E sai fantasiada de mãe recém parida! Improvisando um bebê, promove sua irreverência como se estivesse amamentando. 
E foi tomando uns goles de Samanaú! E foi ficando solta! E começou a dar uns pinotes! 
E não aguentou mais ficar na solidão e foi buscando outros braços... 
E em pouco tempo, no meio de suas duas almas gêmeas, uma cabeça de carne e osso! 
E o inxirido cantando: 'Mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar...!'
Ali na Senador José Bernardo, próximo ao Bar de Seu Rosimiro, alguém pergunta: 
- Cadê o boneco? 
E o descarado, largando momentaneamente o peito da colombina, responde: 
- Foi pra galera! E discostas!


LIBERDADE À PORTA BANDEIRA
Sábado de carnaval. 
Bloco do Magão. 
Cruzamento da Seridó com Coronel Martiniano e dois amigos se encontram! 
Parece milagre aquele encontro não programado em meio a tanta gente! 
Apertos de mãos! Abraços! A felicidade comum estampada em seus rostos! 
Um pergunta para o outro: 
- E a namorada? Ficou em casa? Tá na boa felizardo!
- Não, ela está solta na folia!
O dono da pergunta raciocina rápido e dialoga consigo mesmo! 
Fundamento anti-chifre número um: jamais um mestre-sala deve permitir o livre-arbítrio a sua porta-bandeira. 
E dispara no meio da multidão!
O amigo, sem entender a atitude repentina do outro, indaga-lhe: 
- Ei, vais pra onde? 
- Recompor a Comissão de Frente!


Foto de Cisso Doido no Bloco Massa Dura, fim dos anos 1970, Caicó
A BUFA DA TERÇA-FEIRA
O relógio apontava 19h00. 
Proximidade do Açougue Público. 
E ela parte silenciosa, tendo os narizes foliônicos como destino! 
Dispersão total no Bloco do Magão! 
Corre corre! 
Todos transformando as mãos em máscaras!
Abre-se um corredor na avenida! 
Alguém pergunta: 
- O que foi? 
A resposta: 
- Uma bufa! A mais tirânica que já senti! Acho que esse infeliz deve ter passado todo o carnaval guardando essa bufa para só liberá-la hoje, terça-feira! Ah, cão! 
E cada um passa a dar opinião sobre a intrusa. 
E os pontos de vistas eram os mais diversos até alguém sair como essa: 
- Que nada, essa bufa é cultural! 
- Cultura porra nenhuma, isso é enxofre puro.
- É cultural, sim, e foi uma homenagem a Chiquinha Gonzaga! 
- Como? 
- Essa foi a bufa 'Ô Abre Alas'!
E todos caíram na gargalhada! 
E seguiram o percurso cantando: 
- Ô abre alas que eu quero passar...