segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Ainda dá?

'Órde' é 'órde'!


Certezas sobre o futuro

01 – Todos vestirão macacões cinzentos ou prateados. Ninguém trocará de roupa. 
02 – Não haverá crianças. Nem velhos. Nem cachorros. Só robôs.
03 – Ou nós seremos lindos e perfeitos ou seremos mutantes horrivelmente deformados pela radiação. Alguns serão macacos.
04 – Todo mundo falará inglês. Até os mutantes horrivelmente deformados pela radiação. Ah, e os macacos.
05 – Mesmo que você viaje pelo hiperespaço, sua bagagem nunca irá parar em Zeta Retículi, enquanto você desembarca em Alfa de Centauro.
06 – Os messias relutantes só desenvolverão superpoderes quando se convencerem de que são realmente messias.
07 – Todos os planetas descobertos em viagens espaciais terão atmosfera respirável, mesmo que o céu seja vermelho; as plantas, azuis e os habitantes, peludos e com antenas.
08 – Depois do holocausto nuclear, o líquido mais precioso do planeta será a gasolina.
09 – A Terra será unificada em um só governo, presumivelmente democrático, com sede em São Francisco.
10 – Os carros voarão. Ônibus, caminhões e trios-elétricos não.
11 – Os robôs e clones vão querer ser aceitos como seres humanos. Ou então dominar o mundo. O que for mais fácil.

O diabo da noite




Tesão e soneto

Por Ana C. Pozza...

Enquanto segues em frente,
Deito-me maliciosa em teu leito,
Sentindo teu corpo quente:
Diante das tuas mãos, tudo aceito...

Roubas meus seios da minha roupa,
Acariciando-os com intensos beijos,
Deixando-me completamente louca,
Abrindo-se para ti a Flor dos meus Desejos...

Sou só desejo, sou toda tua...
Beijo-te inteiro com sofreguidão,
Enquanto deixas-me totalmente nua,

Provocando em meu corpo espasmos e gemidos,
Embalo com lambidas teu tesão

Até nos tornarmos um só em todos os sentidos.

Lições de vida



Bibica compra jatinho já pensando na campanha



Bibica monta estrutura para a campanha
O empresário Bibica Di Barreira, do Partido do Bar de Ferreirinha (PBF), pré-candidato a presidente da república e dono da RYFFS Corporation, acaba de comprar um Falcon 4000 zero quilômetro. 
É um jato, de alcance internacional, segundo o fabricante, a francesa Dassault. 
E pode transportar até trinta e cinco passageiros.
Ele está se preparando para enfrentar a luta pela presidência e já avisou que não aceita nenhum tipo de doação, seja de empresas ou pessoas físicas.
Di Barreira vai fazer toda sua campanha com recursos próprios.
"Compromisso só com o povo", disse ele.

Rir é o melhor remédio

O Povo que tudo ria


Papo de pai pra filho sobre a cagada do STF

Via Besta Fubana...
- Pai, o que são Embargos Infringentes?
- Filho, é o seguinte: imagine que nossa casa seja um Tribunal e que quando alguém erra, é julgado e todos podem votar! Um dia, por exemplo, o papai comete um deslize: é apanhado com 3 putas. Eu irei a julgamento. Sua mãe, a mãe dela, o pai dela, sua irmã mais velha, você e seu irmão mais velho, votam pela minha condenação… Mas meu pai, minha mãe, o Totó e a Mimi, nossa gatinha, votam pela minha absolvição.
- Tá pai, mas aí você foi condenado, não?
- Sim, fui, e aí é que entram os tais “Embargos Infringentes”, meu filho. Como eu tive quatro votos a favor da minha absolvição, tenho direito a um novo julgamento.
- Mas pai, no novo julgamento todos vão votar do mesmo jeito.
- Não se eu tiver trocado a sua mãe, o pai dela e a mãe dela pelas três putas.


O velho Bezerra da Silva tinha razão:se gritar pega ladrão,não fica um meu irmão

duke


domingo, 29 de setembro de 2013

Viva Henfil

Há 25 anos, morria o cartunista Henrique de Souza Filho, o Henfil.
Ele usou seu traço único como forma de resistência à ditadura. 
Usou e abusou do humor sagaz e irônico para dar vida a personagens memoráveis, como os Fradinhos, a Graúna e o nordestino Zeferino, nas suas charges no “Pasquim”.
Viva Henfil!

Redemoinhos de setembro

Por François Silvestre
Uma das experiências mais consistentes de inverno no Sertão são os redemoinhos de Setembro. Um deles, ontem, quase me tira da estrada. Que bom.
Não eu sair da estrada, mas o encontro com um deles, em pleno meado de Setembro.
O catolé já amarelou. Bom sinal.
Ainda não vi a casa do mané-de-barro, cuja porta para o nascente é sinal ruim. Se estiver virada para o poente, é invernão. Com cheias e enchentes. Virada para o Sul, é inverno fraco; com chuvas finas, que não juntam muita água. Se aberta para o Norte, chuvas irregulares. Pesadas nuns lugares e escassas noutros.
As aroeiras floram. Os cajueiros também.
Há notícias de inchuís, pendurados nos galhos de juremas ou mofumbos. Ainda não sei se estão gordos, lambuzando de mel as capas sobrepostas.
O sabiá ainda não está cantando dobrado. Uso o gerúndio porque aprendi a falar por aqui mesmo, em vez do “a cantar”, que se diz em Lisboa. Ou no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo Ministro Gilmar Mendes, aquele dos idos de Mato Grosso, onde eu não sei como são as experiências de lá.
A flor do mofumbo, que só cheira ao nascer, ainda não deu o ar da graça. Igual à polícia nas estradas, que só aparece uma semana depois dos assaltos.
Mas o mofumbal, mesmo de aroma passageiro, perfuma tabuleiros e caminhos. E sua moita, de tão fechada, não permite sequer a passagem do sol.
Os caçadores continuam sua batalha para extinguir o que ainda a resta de muito pouco da fauna silvestre. Meu nome entrou aí de gaiato. Eu sou mesmo é um bocó urbano, que usa o Sertão para suprir as deficiências da arte de escrever.
O Sertão sim, esse escreve na cara amuada da Natureza. Os broques das grotas também começam a exibir a estupidez nativa dos moradores daqui. Sem qualquer gesto impeditivo de órgãos públicos inúteis e caros.
As chãs das nossas serras, minimalistas, encolhem-se indefesas ante a burrice de moradores, descaso de turistas e inutilidade dos órgãos pagos para ter pena do meio ambiente.
É na privada que mora o poder público, abafando o cheiro do mofumbo. Falta aparecer a reação canora do fura-barreira. Calangos cegos procurando os ramos secos da jitirana. O vagear da manjerioba.
Por ora, de garantido mesmo, só os redemoinhos; ou como os chamam os matutos: redemunhos, pés de vento, cão de poeira.
Há muito tempo, uns frades franciscanos foram expulsos de Martins. Contam que no mês de Setembro.
Ao receberem a ordem de partida, vários redemoinhos se formaram em volta deles. E aí os peregrinos de marrom lançaram uma maldição. “Este lugar vai crescer como correia no fogo”! Pois não é que a profecia se realiza até hoje?
Você sabe como se comporta uma correia de couro cru no fogo?
Ela se retorce, estica-se no começo e depois se comprime, até virar uma casca ensebada.
Té mais.

A santinha

A santinha
Ciduca Barros

Vocês pensam que no Seridó não tem corno? Tem sim. 
“O sertanejo é antes de tudo um forte”, mas às vezes também é chifrudo. 
Numa determinada cidade, começaram a comentar que Inocência, a esposa de um sujeito chamado Manso, estava lhe botando galhos com um cara chamado Ricardão. 
O zum-zum-zum chegou aos ouvidos de Manso e ele resolveu tomar sérias e drásticas providências. 
A sua primeira medida, acreditando piamente na sua santa esposa, foi dar parte na Delegacia de Polícia local e exigir providências urgentes contra aquela série de boatos. 
O delegado, duro que só beira de sino, não se fez de rogado e intimou urgentemente as partes envolvidas para abrir o competente inquérito e fazer, logicamente, uma acareação, uma vez que tanto Ricardão quanto Inocência juravam de pés juntos que a história era uma deslavada mentira. 
Então, estavam todos na delegacia para tirar a história a limpo. Depois de quase todos darem a sua versão para os fatos, chegou a vez de Inocência se defender. 
Aí, o jogo quase virou a seu favor. 
– Seu Delegado! Tudo isto que está sendo falado por aí é mentira. Eu sou uma mãe de família, trabalhadora, honesta e uma fiel católica apostólica romana temente a Deus.  
E acrescentou mais: 
– Sou até Filha de Maria.  
E disse mais: 
– Eu sou e sempre serei uma mulher leal e dedicada ao meu marido e o amo muito, seu Delegado. Estou casada há mais de 10 anos e meus olhos nunca espiaram para outro homem que não fosse para Mansinho. É tudo mentira e inveja do povo desta cidade, senhor Delegado!
Baixou em Inocência um espírito de um grande orador causídico, e ela soltou o verbo na sua defesa e evocou para si todos os melhores e mais sagrados adjetivos que os dicionários registram, impressionando todos os presentes. 
Ela estava quase ganhando a causa e sendo canonizada, quando o próprio Ricardão, que também ficou embevecido com tantas virtudes, resolveu botar tudo a perder. 
Ele se virou para uma das testemunhas e perguntou:
– Porra, eu estou numa dúvida cruel! Será que eu comia mesmo essa santinha?

Nova profissão

Uma nova profissão!


Os pobres e a patroa

FHC é que tá certo. Pobre é muito chato mesmo. Pobre adora reclamar.
Bobeou, lá está ele militando no sindicato ou no movimento dos
Sem-Terra (“Todo mundo lá tem terra, dotô, só eu que num tem terra!”).
A verdade, no entanto, é que todo pobre adora um capitalista selvagem
para chamar de seu. Pobre gosta tanto de patrão que quando ele larga
o serviço e vai pra casa ver novela, ele encontra... quem? Quem? A “patroa”!
Pobre não tem mulher, não tem esposa, não tem concubina nem amante.
Tem patroa. Os outros que fazem três refeições por dia, chamam a mulher
de “benzinho”, “gata”, “coisa linda”,ou  “fofa”. Pobre não. Pobre só chama
de patroa.
Depois ninguém entende porque o marxismo deu no que deu. 


O governo tá mais sujo do que puleiro de pato

Metendo a mão no bolso!


Maridão generoso

Dando rolé com o marido na rua, a mulher lhe pede 10 reais.
- Pra que você quer dez reais?
- Para dar pra aquele cego ali,  responde ela, apontando um
homem maltrapilho, de óculos escuros, sentado na calçada.
- Ele me pareceu muito necessitado, pois me implorou:
"Pelo amor de Deus, minha bela senhora, me dê dez reais!"
- Ele disse "bela senhora"?
- Sim!
- Toma lá, então, disse o marido, entregando-lhe uma nota
de cem reais.
- Esse filho da puta deve ser cego mesmo...

Leia o texto

ilusão Tente ler o Texto


Intervalo amoroso

Por Affonso Romano...

O que fazer entre um orgasmo e outro,
quando se abre um intervalo
sem teu corpo?

Onde estou, quando não estou
no teu gozo incluído?
Sou todo exílio?

Que imperfeita forma de ser é essa
quando de ti sou apartado?

Que neutra forma toco
quando não toco teus seios, coxas
e não recolho o sopro da vida de tua boca?

O que fazer entre um poema e outro
olhando a cama, a folha fria?

Classificados

ptd


Sem investimentos Clube dos Criadores de Galinha poderá enfrentar crise

Apesar de reconhecer que a criação de galinha, principalmente a galinha de raça "bem ti vi" continua sendo a grande aposta para a redenção da economia do Seridó, o presidente do Clube dos Criadores de Galinha (CCG), Edson de Brito (Bolinha) chama a atenção para o risco do setor entrar em crise, principalmente pela falta d’água e investimento do poder público. “Não estamos no auge como antigamente, porque há crise e agora enfrentamos um problema sério com a falta d’água. Como nós vamos criar galinha sem água? No passado enfrentamos problemas com energia e sofremos um abalo, e agora é a água”, disse.Outro ponto levantado por Bolinha é a necessidade de investimentos no setor. “A criação de galinha no Seridó vive de feiras e as feiras estão ficando muito caras, não temos apoio dos governos em todas as esferas, é uma crise generalizada”. Os investimentos necessários na opinião de Bolinha passam principalmente pela ajuda para que os criadores possam expor seu produto fora da região. “As feiras de galinhas são caríssimas. Temos duas grande agora, uma em Recife e outra em Salvador, e temos dificuldade demais de levar o pequeno criador que chega a gastar 4 mil reais para participar de uma feira dessa. Nem ele tem condição e muito menos nosso clube de arcar com esse custo”, finalizou Bolinha...

sábado, 28 de setembro de 2013

Todo cuidado é pouco

RYFFS entra na parceria para construir o prédio mais alto do Brasil



O projeto do prédio da RYFFS em Camburiú
                     A Pininfu, o escritório responsável pelo design de alguns modelos da Honda,
                     anuncia hoje que participará da construção do prédio mais alto do Brasil.
                     Em parceria com a RYFFS Corporation, lançará um prédio
                     residencial de 337 metros de altura e 97 andares de alto luxo em
                     Balneário Camburiú, Santa Catarina. Desde 1960, o edifício mais alto do
                     Brasil é o Mirante do Vale, no Centro de São Paulo. Tem 170 metros de
                     altura e 51 andares.
                                   

Belo exercicio


Belo exercício...


Bibica reafirma compromisso do PBF com a realidade potiguar

O presidente do Partido do Bar de Ferreirinha (PBF), empresário Bibica Di Barreira afirmou que o partido está elaborando um projeto “realista e viável” visando a recuperação do Rio Grande do Norte e que vai apresentá-lo, com uma proposta de parceria aos demais partidos, no início de 2014.
Ao chegar a Natal, no final da tarde de ontem, para participar do ato de retorno aos quadros partidários do cientista José Almino Filho, Bibica destacou que, somente no “momento oportuno”, o partido vai definir nomes.
“Primeiro, temos que pensar na recuperação do Rio Grande do Norte, que enfrenta uma situação de extrema dificuldade. Por isso, estamos elaborando uma proposta de governo, a ser discutida com os demais partidos, convictos que estamos de que ninguém ganhará uma eleição sozinho e muito menos conseguirá governar”.
Questionado sobre a possibilidade de o PBF apoiar integrantes de outros partidos para o governo do Estado – como o vice-governador Robinson Faria (PMN) e o prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) –,Di Barreira disse que “o PBF vai procurar construir uma candidatura dentro dos seus próprios quadros”.

Opções

Apenas duas opções...


Foi comida?

Num navio a vapor que navegava da Europa para a África, estavam os poetas
malditos Artur Rimbaud e Paul Verlaine. Rimbaud se entregara aos eflúvios
da “fada verde”, o absinto, e, com o balanço do mar, começou a vomitar no
Mediterrâneo. Paul Verlaine, solidário, segurava os cabelos do amigo poeta. 
Nisso foi passando um passageiro e, vendo a cena, perguntou:
“Nossa! Foi comida?”
E o Verlaine:
“Foi, mas agora ele vai traficar escravos na África e eu volto para minha mulher!”  
        


Taradão mecanico

Wind-up-robot-hips

As Vinhas da Ira

VIA: SITE DO ARAN...

Uma saga de pobreza e infelicidade.

Nós éramos muito pobres. Papai teve que vender três de nós para experiências genéticas. Meus irmãos se deram bem e foram viver em algum laboratório chique. Infelizmente, ninguém quis me comprar, mas os vizinhos da casa ao lado aceitaram me alugar por um tempo. O cachorro deles tinha morrido.

 Eu passava as noites latindo no quintal para afastar ladrões. Aqueles foram dias felizes. Os vizinhos também eram muito pobres e, por isso, os ladrões iam roubar outros vizinhos. De vez em quando, eu tomava um osso dos vira-latas da rua e levava para mamãe fazer sopa.

 Uma noite, papai chegou em casa, depois de mais um dia de trabalho na pedreira . A pedreira era muito pobre e não tinha dinheiro para comprar carrinhos de mão, por isso contratara meu pai para carregar as pedras. Mesmo depois de muitos anos, ele só conseguia andar com as mãos no chão e com alguém segurando os pés dele. Uma noite, eu dizia, papai chegou em casa e falou que a pedreira tinha fechado. Ninguém mais tinha dinheiro para comprar pedras.

 Nossa cidade era muito pobre e, por isso, uma pedra era o único objeto de valor que conseguíamos ter. As pessoas exibiam felizes seus pedregulhos. Os mais sortudos carregavam paralelepípedos pendurados no pescoço. Além de pobres, muitos de nós éramos corcundas.

 Mas papai, eu dizia, não mais trabalhava na pedreira. Não podíamos mais pagar o aluguel do barraco e fomos morar num banco de praça. Na parte de baixo do banco. A parte de cima já estava alugada para outra família. O dono do banco, que também era muito pobre, morava em cima de uma árvore e vivia às turras com dois esquilos que tinham chegado ali primeiro.

 Mesmo naquela penúria, eu trazia um sonho no coração. O sonho é a única coisa que o pobre pode possuir sem ter que comprar. Eu queria ter dois sonhos, mas éramos muito pobres e, por isso, eu só podia ter um sonho.
    

 

Fique de vigia



sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Mulheres & Guitarras


10 Motivos pelos quais uma guitarra é melhor que uma mulher:
1. Você pode ter quantas guitarras quiser sem ter compromisso com nenhuma delas.
2. Guitarras não falam e você pode usa-las a hora que quiser.
3. Você pode deixar seus amigos tocar sua guitarra sem sentir ciúmes.
4. Guitarras não se preocupam com maquiagem.
5. Guitarras não ficam menstruadas nem tem TPM.
6. Guitarras não engravidam.
7. Guitarras não dizem nada quando vc passa a mão no corpo delas.
8. Será impossível ferir os sentimentos de uma guitarra.
9. Nunca uma guitarra perguntará "Você acha que eu estou gorda?"
10. Guitarras atraem mulheres mas mulheres não atraem guitarras.
10 Motivos pelos quais uma mulher é melhor que uma guitarra:
1. Guitarras não tem condições físicas de ir até a geladeira pegar uma cerveja para você.
2. Guitarras não cozinham muito bem.
3. Quem irá fazer massagem nas suas costas se não uma mulher.
4. Quem irá cuidar dos filhos?
5. Arrumar a casa?
6. Lavar sua roupa?
7. Não existe como fazer sexo com uma guitarra, mas com uma mulher…
8. Mulher não precisa trocar de cordas.
9. Mulheres não desafinam na hora H.
10. Para se usar uma mulher não precisa de cabos, amplificador, pedaleira, palheta, etc.